ECOSSISTEMAS-TI Verde

A Terra tem todo o tempo do mundo, nós não temos tempo.

Postagem de resumo sobre ECOSSISTEMAS – TI Verde.

38 Respostas

  1. Ecossistemas

    O ecossistema é a unidade principal de estudo da ecologia e pode ser definido como um sistema composto pelos seres vivos e o local onde eles vivem […] e todas as relações destes com o meio e entre si. (FARIA, Carolina, 2009). Com base neste conceito, e na tradução literal de ecossistema do grego oykos, casa + σύστημα, sistema onde se vive, podemos sugerir que ecossistema nada mais é do que o conjunto formado por todas as comunidades que vivem e interagem em determinada região e pelas relações destas comunidades.

    Segundo Faria(2009), para que se possa delimitar um “sistema ecológico” ou ecossistema é necessário que haja quatro componentes principais: fatores abióticos, que são os componentes básicos do ecossistema; os seres autótrofos, geralmente as plantas verdes, capazes de produzir seu próprio alimento através da síntese de substâncias inorgânicas simples; os consumidores, – que não são capazes de produzir seu próprio alimento, como os animais; e os decompositores, que se alimentam de matéria morta. Nós, seres humanos, nos encaixamos no grupo de consumidores.

    As dimensões de um ecossistema podem variar consideravelmente, desde uma poça de água, até a totalidade do planeta Terra, que pode ser considerado um imenso ecossistema composto por todos os ecossistemas existentes. Os ecossistemas podem ser classificados de duas formas: Ecossistemas terrestres, e aquáticos. Ambos funcionam de maneira parecida, sendo a única diferença entre eles a quantidade de água entre um e outro, o que faz com que comportem formas de vida diferentes. Aos locais onde os dois tipos de ecossistemas se encontram dá-se o nome de “wetlands”, no termo em inglês, que podemos chamar de “terras alagadas”. São regiões como o Pantanal Matogrossense e as regiões alagadas da Amazônia.

    Acredito que as indústrias de TI, principalmente aquelas que almejam crescer e conquistar o mercado internacional, deveriam também adotar medidas como a produção de Créditos de Carbono. Com isto, além de colaborar com o meio ambiente através da recuperação de áreas degradadas, as empresas fortalecem sua imagem perante a sociedade, e aumentam a responsabilidade social e ambiental, o que pode possibilitar novos negócios e a conquista de novos mercados.

  2. Ecossistemas

    O ecossistema é a unidade principal de estudo da ecologia e pode ser definido como um sistema composto pelos seres vivos e o local onde eles vivem […] e todas as relações destes com o meio e entre si. (FARIA, Carolina, 2009). Com base neste conceito, e na tradução literal de ecossistema do grego oykos, casa + σύστημα, sistema onde se vive, podemos sugerir que ecossistema nada mais é do que o conjunto formado por todas as comunidades que vivem e interagem em determinada região e pelas relações destas comunidades.

    Segundo Faria(2009), para que se possa delimitar um “sistema ecológico” ou ecossistema é necessário que haja quatro componentes principais: fatores abióticos, que são os componentes básicos do ecossistema; os seres autótrofos, geralmente as plantas verdes, capazes de produzir seu próprio alimento através da síntese de substâncias inorgânicas simples; os consumidores, – que não são capazes de produzir seu próprio alimento, como os animais; e os decompositores, que se alimentam de matéria morta. Nós, seres humanos, nos encaixamos no grupo de consumidores.

    As dimensões de um ecossistema podem variar consideravelmente, desde uma poça de água, até a totalidade do planeta Terra, que pode ser considerado um imenso ecossistema composto por todos os ecossistemas existentes. Os ecossistemas podem ser classificados de duas formas: Ecossistemas terrestres, e aquáticos. Ambos funcionam de maneira parecida, sendo a única diferença entre eles a quantidade de água entre um e outro, o que faz com que comportem formas de vida diferentes. Aos locais onde os dois tipos de ecossistemas se encontram dá-se o nome de “wetlands”, no termo em inglês, que podemos chamar de “terras alagadas”. São regiões como o Pantanal Matogrossense e as regiões alagadas da Amazônia.

    Fonte: http://www.infoescola.com

    Exemplo de Sustentabilidade

    Gostaria de citar um exemplo sobre Sustentabilidade que é de Blumenau, mas que não trata de Tecnologia da Informação especificamente. O Projeto Metropolitano – Carbono Zero, tem como objetivos a recuperação de áreas degradadas, contribuir para a redução de dióxido de carbono na atmosfera, contribuir para a amenização dos efeitos do aquecimento global, e fortalecer a responsabilidade social e ambiental do Clube Atlético Metropolitano.

    O projeto Carbono Zero foi desenvolvido pelo Clube Atlético Metropolitano em parceria com a FURB e a Fator Contabilidade a partir de uma percepção de intervenção ambiental sobre o impacto ao qual a realização de espetáculos esportivos (jogos de futebol) promovidos pelo Clube Atlético Metropolitano promove ao meio ambiente.

    O impacto destes espetáculos esportivos se constitui a partir do deslocamento em massa dos torcedores ao estádio, que em mais de 90% é efetuado a partir de veículos automotores, que por sua vez, utilizam combustíveis fósseis para seu funcionamento. A queima destes combustíveis fósseis emite a atmosfera uma quantidade significativa de CO² (Dióxido de Carbono), um dos gazes responsáveis pelo efeito estufa. Então, quanto maior o público presente aos jogos do Metropolitano, maior o impacto ambiental que é promovido ao meio ambiente.

    É necessário o “seqüestro” de uma tonelada de CO² para a geração de 1 crédito de carono. Para gerar cada crédito de carbono estima-se serem necessárias no mínimo 5 árvores. O clube estima um investimento de R$ 97,50 por ano para cada conjunto de 05 árvores e calcula que a partir do 6º ano do projeto consiga vender os primeiros Créditos de Carbono. Considerando-se a cotação do Crédito de Carbono hoje, a expectativa é que em 12 anos, todos os investimentos no projeto tenham sido pagos, e que aí então o clube, além de colaborar com o Ecossistema, contabilize também lucros financeiros.

  3. 1 CONCEITO
    O termo “Ecossistema” foi utilizado pela primeira vez em 1935 pelo ecólogo britânico Arthur Tansley. Desde o início de sua caracterização o termo ecossistema vem obtendo diversas conceituações, variando de autor para autor.

    O conceito de ecossistema define que “Toda e qualquer unidade (área) que envolva todos os organismos vivos (bióticos), que se encontram interagindo com o ambiente fisico (abióticos) em que estes vivem, de tal forma que um fluxode energia produza estruturas bióticas bem definidas e uma ciclagem de materiais entre as partes vivas e as não-vivas”.

    Outra maneira de apresentar o conceito de ecossistema, consiste em uma comunidade de organismos vivos e seu meio ambiente físico. Os elementos vivos e não-vivos que o integram estão conectados através de fluxos de energia e dos ciclos de elementos químicos. Nenhuma parte da biosfera que seja menor do que um ecossistema pode manter a vida. Um exemplo é a floresta, que é composto por um conjunto de organismos que dependente um do outro para viver. Desta forma tudo se relaciona com tudo e nada consegue viver separadamente.

    2 APLICAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE
    Um dos grandes representantes da aplicação da sustentabilidade nas organizações, juntamente com a onda verde em TI é a virtualização de servidores.
    Antes da virtualização de servidores, uma empresa com um número pequeno de usuários precisava possuir alguns serviços mínimos em sua infra-estrutura, como firewall, gateway, AD, o banco de dados, distribuição de link, sevidor de e-mail, entre outros. Até então para cada dos serviços citado era necessário um hardware exclusivo, ou seja, uma máquina (servidor) para cada serviço.
    Cada servidor ligado representa em custos atuais um consumo da ordem de R$ 50,00/mês somente com a conta de energia elétrica, desconsiderando outros custos como para manter as máquinas em temperatura adequada, onde é necessário ar-condicionados potentes que mais uma vez consomem energia elétrica. Quanto mais máquinas ligadas maior a necessidade de refrigeração e mais intensa a manutenção.
    É fato que a energia elétrica, mesmo com todos os avanços voltados para gerar energia elétrica limpa, ainda é um dos grandes vilões antiecológicos, seja pela emissão de carbono gerada na queima de combustíveis para transformar a energia ou pela destruição ambiental causada pela inundação nos casos de hidroelétricas.
    Com a virtualização pode-se ter em um único hardware os serviços de Gateway, Firewall, distribuição de rede e sevidor de e-mail, por exemplo, que antes consumiam quatro máquinas independentes para o mesmo trabalho.
    Em contas grosseiras podemos concluir que a virtualização pode reduzir sem perda de desempenho ou aumento de riscos uma redução somente no gasto de energia elétrica mínima de 75%.

    Na empresa Teclógica, atualmente possuímos aproximadamente 80 servidores dos quais 60% deles são virtualizados. Não somente a redução dos custos na área de manutenção como na facilidade de ampliação do parque de servidores levou a empresa a aderir à tecnologia, mas cada vez mais apoiar na sustentabilidade do ecossistema.

    Na Europa empresas são apoiadas financeiramente caso consigam reduzir seu consumo de energia através de tecnologias como a virtualização

    3 BIBLIOGRAFIA
    http://www.sefloral.com.br/ea01052301.htm
    http://www.tierramerica.net/2000/1119/plosabias.html
    http://ecoqua.ecologia.ufrgs.br/arquivos/Reprints&Manuscripts/Manuscripts&Misc/SistemasEcol_02Jan02.pdf

  4. O QUE É SUSTENTABILIDADE

    Para o físico Fritjof Capra a sustentabilidade é o resultado de um complexo padrão de organização dividido em cinco partes: interdependência, reciclagem, parceria, flexibilidade e diversidade. Para ele, quando essas cinco características encontradas em ecossistemas, forem aplicadas na sociedade, a sociedade também poderá alcançar a sustentabilidade.
    Segundo Capra, sustentabilidade não é apenas a interação humana com o mundo em que ele preserva o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras, ou com a visão de manutenção prolongada de processos econômicos, sociais, culturais, políticos, institucionais ou físico-territoriais, mas que também combina cinco variáveis relacionadas com as características acima.
    Texto adaptado por Augusto de Franco para a revista Século XXI (número 3, setembro de 1999) do Instituto de Política – foi tirado, com autorização dos editores brasileiros, do epílogo do livro “A Teia da Vida: uma nova compreensão dos sistemas vivos” (Cultrix – Amana-Key, São Paulo, 1997) intitulado “Alfabetização Ecológica”.

    1. [INTRODUÇÃO]

    Para realizar a tarefa de construir, nutrir e educar comunidade sustentáveis, pode-se utilizar lições aprendidas em estudos sobre ecossistemas. Para compreender essas lições é necessário aprender os princípios básicos da ecologia. É necessário revitalizar as comunidades educativas, comerciais e políticas de modo que os princípios da ecologia se manifestem nelas como princípios de educação, de administração e de política.
    Há muitas diferenças entre ecossistemas e comunidades humanas. Nos ecossistemas não existe autopercepção, nem linguagem, nem consciência e nem cultura. Não é possível aprender sobre valores e fraquezas humanas a partir de ecossistemas mas é possível aprender como viver de maneira sustentável. Durante mais de três bilhões de anos de evolução, os ecossistemas do planeta têm se organizado de maneiras sutis e complexas, a fim de maximizar a sustentabilidade. Essa sabedoria da natureza é a essência da eco-alfabetização.
    Baseando-nos no entendimento dos ecossistemas podemos formular um conjunto de princípios de organização que podem ser identificados como os princípios básicos da ecologia e utilizá-los como diretrizes para construir comunidades humanas sustentáveis.

    2. [INTERDEPENDÊNCIA]

    Todos os membros de uma comunidade ecológica estão interligados numa vasta e intrincada rede de relações, a teia da vida. O comportamento de cada membro vivo do ecossistema depende do comportamento de muitos outros. O sucesso da comunidade toda depende do sucesso de cada um de seus membros, enquanto que o sucesso de cada membro depende do sucesso da comunidade como um todo.

    3. [RECICLAGEM]

    A natureza cíclica dos processos ecológicos é um importante princípio da ecologia. Os laços de realimentação dos ecossistemas são as vias ao longo das quais os nutrientes são continuamente reciclados. Sendo sistemas abertos, todos os organismos de um ecossistema produzem resíduos, mas o que é resíduo para uma espécie é alimento para outra, de modo que o ecossistema como um todo permanece livre de resíduos. As comunidades de organismos têm evoluído dessa maneira ao longo de bilhões de anos, usando e reciclando continuamente as mesmas moléculas de minerais, de água e de ar.

    4. [PARCERIA]

    Num ecossistema, os intercâmbios cíclicos de energia e de recursos são sustentados por uma cooperação generalizada. Na verdade, vimos que, desde a criação das primeiras células nucleadas há mais de dois bilhões de anos, a vida na Terra tem prosseguido por intermédio de arranjos cada vez mais intrincados de cooperação e de co-evolução. A parceria é um dos “certificados de qualidade” da vida.

    5. [FLEXIBILIDADE]

    A flexibilidade de um ecossistema é resultado de seus múltiplos laços de realimentação, que tendem a levar o sistema de volta ao equilíbrio sempre que houver um desvio com relação à norma, devido a condições ambientais mutáveis. Por exemplo, se um verão inusitadamente quente resultar num aumento de crescimento de algas num lago, algumas espécies de peixes que se alimentam dessas algas podem prosperar e se proliferar mais, de modo que seu número aumente e eles comecem a exaurir a população das algas. Quando sua principal fonte de alimentos for reduzida, os peixes começarão a desaparecer. Com a queda da população dos peixes, as algas se recuperarão e voltarão a se expandir. Desse modo, a perturbação original gera uma flutuação em torno de um laço de realimentação, o qual, finalmente, levará o sistema peixes/algas de volta ao equilíbrio.

    6. [DIVERSIDADE]

    Nos ecossistemas, o papel da diversidade está estreitamente ligado com a estrutura em rede do sistema. Um ecossistema diversificado será flexível, pois contém muitas espécies com funções ecológicas sobrepostas que podem, parcialmente, substituir umas às outras. Quando uma determinada espécie é destruída por uma perturbação séria, de modo que um elo da rede seja quebrado, uma comunidade diversificada será capaz de sobreviver e de se reorganizar, pois outros elos da rede podem, pelo menos parcialmente, preencher a função da espécie destruída. Em outras palavras, quanto mais complexa for a rede, quanto mais complexo for o seu padrão de interconexões, mais elástica ela será.

    7. [EPÍLOGO]
    São estes, então, alguns dos princípios da ecologia – interdependência, reciclagem, parceria, flexibilidade, diversidade e, como resultado de todos estes, sustentabilidade. À medida que o nosso século se aproxima do seu término, e que nos aproximamos de um novo milênio, a sobrevivência da humanidade dependerá de nossa alfabetização ecológica, da nossa capacidade para entender esses princípios da ecologia e viver em conformidade com eles.

    Fonte: CAPRA, Fritjof; O que é sustentabilidade;
    Disponível em: http://dc120.4shared.com/download/40414872/537fd62d/Fritjof_Capra___O_que__Sustentabilidade.pdf?tsid=20090903-181438-94a9cbe7
    Acessado em: 04 de setembro de 2009.

    Aplicação com foco em sustentabilidade

    É possível auxiliar no processo de gestão da sustentabilidade por meio de sistemas especialistas. Ainda não se houve falar muito em aplicações com essa finalidade. Uma das razões talvez seja a falta de incentivo para pesquisas com a sustentabilidade, como objetivo final.
    Já existem alguns trabalhos relacionados com reciclagem de materiais e com o material beneficiado, constroem-se casas. Em sua maioria são cooperativas que, pelo trabalho realizado com lixo, conseguem auxiliar os cooperados, disponibilizando-lhes moradias.
    Como ainda são atividades novas, precisam de muito acompanhamento. Este é um ramo no qual aplicações com objetivo de promover a sustentabilidade podem ajudar a gerir melhor os recursos. Até mesmo facilitar que outras cooperativas melhores seus processos.
    A aplicação seria responsável por armazenar informações sobre os materiais utilizados na reciclagem. Com as informações a aplicação pode sugerir combinações de compostos para aumentar a durabilidade e resistência do produto final.
    Todos os cálculos necessários para produzir os produtos da cooperativa, também ficam a cargo da aplicação. Assim ficaria garantida a qualidade do produto final.
    Através de um estudo aprofundado dos objetivos a serem alcançados seria possível alcançar o melhor reaproveitamento e assim atingir uma das características mencionadas por Capra, a reciclagem.

  5. Nome: Paulo Samuel Prá Mariani

    A Auto-Sustentabilidade no Cenário Ecológico Mundial

    O homem procura alicerces para reconstituir os danos que vêm sendo causados ao meio ambiente.
    Por Luiza Florence 07_Jul 2009
    http://www.setemagazine.com
    http://www.setemagazine.com/materias/8-3-1/Julho-09/Cultura-Pop/a.html

    Diante de um planeta tão cheio de vida e natureza, o homem, seu maior aliado e pior inimigo, destroí seu próprio berço e procura alicerces para reconstituir os danos que vêm sendo causados ao meio ambiente. Já era tempo de uma conscientização ecologicamente coletiva passar a predominar e seguir os alicerces capitalistas, sem perder o socialismo humano.
    O movimento de conscientização já vem apresentando melhoras e recursos para um bem estar ambiental mais sadio. Muitas associações de peso tem tomado partido dos problemas ambientas. Várias campanhas e instituições, vem apresentando soluções para a sustentabilidade ecológica no mundo.
    No Brasil foram desenvolvidos alguns programas como o Eco 92, a Carta da Terra e alguns líderes ambientalistas como Chico Mendez, incentivos fiscais como ISO14000 (selo de prevenção de processos de contaminações ambientais) vem tentando oferecer caminhos para melhorar a preservação ecológica; já surtem efeitos em parceria com a ONU. Mas na realidade, atualmente dependemos de uma associação mais forte, como a G-8 (grupo dos 8 países mais ricos e influentes do mundo, fazem parte os Estados Unidos, Japão, Alemanha, Canadá, França, Itália, Reino Unido e Rússia), que vem comandando diversos assuntos mundias, e por tamanho poder nem sempre abordam os problemas ecológicos. Muitas vezes os países do G-8 não se comprometem a assinar acordos ambientais, tendo em vista que são os que mais provocam tais problemas, por conta de perdas lucrativas.
    A redução gera uma discussão capitalista que confronta as reformas de conduta ambiental, mas o intuito aqui é nos informarmos de como isso vem crescendo e tomando espaço na mente dos empresários e empreendedores. A auto-sustentabilidade traz uma visão holística para o mercado, que vem adotando esse conceito. Diversas empresas assumem custos mais altos e oferecem produtos mais caros para um público consciente de sua responsabilidade ecológica (como os produtos orgânicos, materias de fonte reciclável e outros); ainda não atingindo as classes menos favorecidas, que procuram um custo mais baixo do que um consumo ecologicamente correto.
    Auto-sustentabilidade é a implementação de normas em projetos que exploram recursos naturais e afetam diretamente o meio ambiente. Assim, estratégias de equilibrio ecológico foram traçadas para que tais explorações causem o mínimo impacto possivel sobre o meio-ambiente; que dêem tempo à natureza de recompor os próprios recursos; e que tenham retorno monetário suficiente para o sustento das pessoas envolvidas, de modo que não precisem super-explorar o meio, com um ressarcimento justo.
    O assunto é sério e traz diversas contradições em ações e atitudes governamentais realmente eficazes para a preservação do planeta Terra. Além de reultilizar e reciclar, também prescisamos reduzir, mesmo que isso gere uma alteração na economia mundial. A falta de água, o Aquecimento Global, desmatamentos e demais problemas de ordem ambiental podem gerar uma nova era, e extinguir o nosso planeta daqui a algum tempo. A auto-sustentabilidade é uma das medidas para reorganização e cuidados na ultilização de recursos da natureza; que se extende a nós mesmos, pois somos parte do funcionamento de um ecossistema harmônico no cenário ecológico mundial.

    Minha Opinião.

    Estamos neste planeta há muito tempo, sempre buscando evoluir em nossas tecnologias e expandir nosso conhecimento, fizemos isso sem pensar nas conseqüências naturais, não levamos em conta que poderiam prejudicar o planeta, achamos que os recursos oferecidos pala natureza seriam perpétuos.
    Isso não é real, o planeta tem um eco sistema sensível e equilibrado que precisa ser preservado para manter nossa própria sobrevivência, o homem esta tomando conta do planeta, pois o numero da população mundial vêem crescendo exponencialmente nos últimos anos, chegamos a um ponto onde já estão se esgotando os recursos da terra, já somos responsáveis pela extinção de varia espécies de animais, destruição da camada de ozônio, poluição da terra, água e ar, derretimento das calotas polares e muito mais.
    Hoje nos temos que pensar em sustentabilidade global, criar recursos para continuarmos evoluindo sem prejudicar a natureza. Essa é à hora de agirmos, para garantir o mínimo de qualidade de vida para a humanidade. Desde o inicio dos tempos o planeta nos fornece uma grande fonte de energia limpa, o sol. Temos que desenvolver sistemas de trabalhem com esse tipo de energia, criar materiais biodegradáveis, agir pensando na sustentabilidade, devemos começar por nos as mudanças que queremos ver no mundo, seja ela apagando as luzes, fechando uma torneira, separando o lixo. Claro que nossos lideres também precisam agir, seja liberando verbas para pesquisa ou incentivando grandes fabricas a ter um pensamento sustentável.

    Um exemplo na área de TI:
    Em uma grande empresa, o setor de TI pode implementar programas de impressão que use os dois lados das folhas. Adquirir servidores de boa qualidade que necessitem menos ar-condicionado para serem resfriados. Programar os computadores dos usuários para hibernar após 3min, assim há uma grande economia de energia.

  6. De acordo com o site Wikipedia, Ecossistemas são o conjunto formado por todas as comunidades de determinada região, onde estas, são dominadas por fatores abióticos, ou seja, regidas por influências na qual os seres vivos possam receber, que são derivadas de aspectos físico-químicos. Pesquisando em outra fonte, o site do Centro de Divulgação Científica e Cultural da USP, os Ecossistemas são formados por níveis de organizações, as quais não podem decifrar um início ou um fim para o ele. Ainda, mais a fundo, o Portal Mundo Educação nos traz que, o conjunto de fatores ambientais que interrelacionam os conjuntos de comunidades que constituem o Ecossistema, são: o tipo de solo, a intensidade luminosa, o índice pluviométrico, a quantidade de chuvas, a umidade, a salinidade, acidez e a turbidez, bem como, todas as características próprias do meio ambiente.

    Conhecendo um Ecossistema, podemos definir sustentabilidade, onde, segundo o Wikipedia, é um pensamento sistêmico, de abordagem subjetiva conjuntamente científica a qual é relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana. Ainda, de acordo com a mesma fonte, propõe-se a ser um meio de civilizar as atividades humanas para que possam preencher suas necessidades sem agredir ou destruir a biodiversidade e os ecossistemas existentes em seu meio. O Relatório de Brundtland, escrito em 1987, define, para todos os seres humanos, de modo conciso e claro, onde sustentabilidade é “suprir as necessidades da geração presente sem afetar a habilidade das gerações futuras em suprir as suas”. Pesquisando no portal Atitudes Sustentáveis, em todas as atividades que o ser humano promove, mesmo as mais impactantes, como a mineração, extração vegetal, agricultura em larga escala, entre outros, revelou-se economicamente viável, e ainda, trouxe fôlego extra para a área financeira destas categorias.

    Pesquisando sobre como a área de Tecnologia da Informação pode ser influenciada pela sustentabilidade, encontrei um artigo de um gerente de TI, o Alex Prado, no Portal Imasters, a qual observei com grande interesse, as idéias que circulam no mundo, sobre este assunto.

    Atualmente, nas empresas, há um conceito bastante primário sobre TI sustentável, onde, para isso, somente é necessário economizar energia e de impactos ambientais, como descartar itens eletrônicos nocivos ao meio ambiente. Para isso, é preciso que este pensamento, o de como descartar, seja modificado para substituir estes periféricos por outros com mesmo potencial, mas que consumam menos energia e emitem menos gases poluentes.

    Outras ações eficientes são os Cloud’s Computing, ou, computação nas nuvens, a qual resultaria em menos hardware próprio, menos processamento, e, conseqüentemente, menos consumo de energia, sem a perda da qualidade ou diminuição da capacidade no atendimento dos serviços estabelecidos.

    No aspecto econômico, além dos ganhos com a redução do consumo de energia, há promoção de ganhos consideráveis sobre o TCO, que é um cálculo que contempla todos os custos de um ciclo de vida do TI. De acordo com o autor, estes ganhos podem ser traduzidos em “Ecoeficiência”.

    Infelizmente, muitas empresas da área de TI não estão com este pensamento, isto se deve a uma forte resistência a mudanças, falta de planejamento estratégia, falta de visão sistêmica, prioridade da solução dos problemas e não das causas, ausência de uma cultura voltada para a excelência e adequação superficial as inovações.

    Concluindo, a sustentabilidade em TI, é a eficiência da empresa em gerir seus ativos tecnológicos de forma concisa, mantendo o equilíbrio entre a atividade econômica e o meio ambiente.

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
    ECOSSISTEMAS Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2009.
    SUSTENTABILIDADE Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2009.
    ECOLOGIA: Ecossistemas Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2009.ECOSSISTEMAS Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2009.
    ABREU, Carlos. Sustentabilidade? O que é Sustentabilidade? Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2009.
    PRADO, Alex. Sustentabilidade em TI: indo além da “TI Verde”. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2009.

  7. Aluno: André Luiz Pedrelli

    Sustentabilidade com Tecnologia da Informação nas Organizações

    A partir do momento em que viu que as ações do ser humano no meio ambiente podem colocar fim a própria existência, começou-se a criar técnicas para desenvolver atividades agrícolas, industriais e empresarias sem que haja tanto desperdício, ou agressão a natureza. Cada vez mais estamos falando em sustentabilidade, ou seja, atender as necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem as suas próprias necessidades.
    A transformação proporcionada pela sustentabilidade é muito profunda, lida com mudanças de valores, novas formas de se produzir, negociar, comunicar, relacionar e lidar com problemas, porem esses resultados aparecem em longo prazo, projetos de sustentabilidade requerem, muitas vezes, períodos de dez, quinze anos para que os resultados justifiquem o investimento.
    A área de TI está colaborando cada vez mais para o desenvolvimento da sustentabilidade, criando softwares para reduzir custos e riscos no negocio, trazendo quais são as maquinas e equipamentos que estão ociosos, que estão gastando mais energia, enfim, criando softwares cujo foco é desenvolver uma visão sistêmica de sustentabilidade aplicada a gestão estratégica de organizações, inclusive financeira.
    Um outro exemplo, são os e-mails ou trocas de recados via programas de conversação, como MSN, blogs, reduzindo assim a utilização de papel. A utilização da internet como meio de comunicação contribuiu para a aceleração com que as informações cheguem ate as pessoas, e diminuiu a emissão de jornais, papeis que no fim eram jogados no lixo.

    Bibliografia

    Sustentabilidade em TI: indo além da “TI Verde. Disponível em:
    .
    Acesso em 09 setembro 2009.

  8. Ecossistemas

    Ecossistema designa o conjunto formado por todos os fatores bióticos e abióticos que atuam simultaneamente sobre determinada região. Considerando como fatores bióticos as diversas populações de animais, plantas e bactérias e os abióticos os fatores externos como a água, sol, o solo, gelo, vento. A alteração de um único elemento costuma causar modificações em todo o sistema, podendo ocorrer a perda do equilíbrio existente. Todos os ecossistemas do mundo formam a Biosfera.A base de um ecossistema são os produtores que são os organismos capazes de fazer fotossintese ou quimiossintese. Produzem e acumulam energia através de processos bioquímicos utilizando como matéria prima a água,gás carbônico e luz.
    No Brasil, os ecossistemas podem ser classificados em sete grupos distintos, que são: cerrado, floresta amazônica, caatinga, restinga, mata atlântica, manguezal, pantanal.

    Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecossistema

    O termo “Ecossistema” foi utilizado pela primeira vez em 1935 pelo ecólogo britânico Arthur Tansley. Em alguns países na Europa, especialmente na Rússia, utiliza-se a expressão Biocenose para identificar o Ecossistema. Desde o início de sua caracterização o termo ecossistema vem obtendo diversas conceituações.
    De modo geral a expressão ecossistema refere-se a “Toda e qualquer unidade (área) que envolva todos os organismos vivos (bióticos), que se encontram interagindo com o ambiente fisico (abióticos) em que estes vivem, de tal forma que um fluxode energia produza estruturas bióticas bem definidas e uma ciclagem de materiais entre as partes vivas e as não-vivas”.

    Fonte: http://WWW.sefloral.com.br

    Sustentabilidade com TI
    Podemos dividir a sustentabilidade em duas partes:
    Aspecto ambiental, são avaliados meios para o descarte adequado, reduzindo a contaminação pela decomposição de metais (principalmente chumbo e cobre). Também buscam a substituição de periféricos por outros de mesmo potencial, mas com menor consumo de energia e menor emissão de gases poluentes.
    Exemplificando a situação: Uma pesquisa realizada pelo instituto Gartner Group indica que nos próximos 5 anos, 512 milhões de PCs vão ser jogados no lixo. O impacto ambiental desse lixo é tão grande, já que uma grande parte dele é despachado para os países mais pobres, como “doações”. Quando estas doações se transformam finalmente em lixo, passam a significar a sobrevivência de uma parte da população que sobrevive da extração e comercialização de componentes e metais das placas e circuitos internos, com impactos ambientais locais difíceis de mensurar.

    Aspecto econômico: além do ganho com a redução do consumo de energia, isto também promove ganhos consideráveis sobre o TCO – Total Cost of Ownership. O TCO é um cálculo que contempla todos os custos envolvidos ao longo do ciclo de vida de uma solução de TI, incluindo: custos do hardware e das licenças de software, amortização, manutenção, upgrades, suporte técnico, tempo ocioso por falhas (downtime), segurança (vírus, denial of service, back-up, restaurações, etc.), treinamento, administração, tempo de operação. Estes ganhos se traduzem em ecoeficiência.
    Exemplificando a situação: A energia elétrica dos datacenters, divulgada recentemente em uma entrevista de Héctor Ruiz, atual CEO da AMD e publicada na INFO-Online: “Um grande data center tem um consumo equivalente ao de uma cidade de 150 000 pessoas. Estamos falando de prédios que têm o tamanho de um quarteirão.” A grande preocupação hoje, tanto da AMD quanto da Intel e outros fabricantes, é o investimento em componentes com baixo consumo de energia, o que até hoje não foi uma preocupação muito forte.

  9. O espaço ocupado pelo homem está a todo o momento sofrendo modificações relacionadas ou impostas pelo próprio homem, que podem ser danosas ao meio quando não administradas corretamente. No Art. 225 da Constituição Federal há a seguinte frase: “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à qualidade de vida impondo-se ao Poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.
    A partir de uma conferência crítica da Organização das Nações Unidas – ONU sobre o rumo predatório do modelo de desenvolvimento econômico que ocorreu em 1987, surgiu o conceito de sustentabilidade. Então sustentabilidade ou desenvolvimento sustentável entende-se como um “desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades atuais sem comprometer a capacidade das futuras gerações em satisfazer suas próprias necessidades” (WCED, 1987). Este conceito é associado à preservação do meio ambiente, aplicando-se aos aspectos econômicos, sociais e ambientais.
    A Tecnologia da Informação – TI – impulsiona e suporta o desenvolvimento mundial, proporcionando informação e conhecimento para o crescimento das organizações.
    A sustentabilidade em TI é associada ao requisito de redução de energia e de impactos ambientais, com o descarte de itens eletrônicos nocivos ao meio ambiente, conhecida como TI Verde. Porém o que deveria ser considerado está muito além disto, para se tornar uma solução mais mais eficiente, devem ser resultados de menos hardware, menos processamento e menos consumo de energia, e sem perda de qualidade, capacidade e funcionalidade. A sustentabilidade em TI também representa a capacidade da empresa em gerir seus ativos tecnológicos de forma eficiente, mantendo o equilíbrio com a sociedade e o meio ambiente e isto está muito além de frases prontas e ganhos publicitários: está diretamente ligado à relevância da TI (a tecnologia e a informação) à visão de futuro das organizações envolvidas.

    Em 2008, 80% dos executivos da área de TI informaram que a importância dos aspectos relacionados à TI Verde cresceu em suas organizações. Para se ter idéia, 2% das emissões de carbono para a atmosfera vem do setor de TI, e também é o setor que mais cresce em termos de emissão de caborno ao ano, chega a taxa de 12%. Um microcomputador ligado durante 10 horas todos os dias, equivale a 10% da emissão anual de gás carbônico de um automóvel. Os microcomputadores representam 40% do consumo de energia e 30% das emissões de dióxido de carbono no setor de TI. 50% das organizações recentemente pesquisadas pela IBM afirmaram não medir seu consumo de energia de TI. E apenas 12% das organizações pesquisadas afirmaram considerar a eficiência energética como um fator importante para decidir a aquisição.
    Uma organização é responsável pelo meio ambiente que a cerca, devendo, portanto, respeitá-lo, agir como não poluente e cumprir as legislações e normas pertinentes (ISO 14001)

    A TI Verde pode colaborar em serviços de impressão gerenciados, ferramentas de gerenciamento de energia, redução de servidores (energia, desempenho), redução de condicionadores de ar, reciclagem, relatórios verdes, redução de emissão de carbono, e créditos de carbono.
    Com 21 unidades em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília o laboratório Fleury assume responsabilidade com a TI Verde. A diretora corporativa de TI, Teresa Sacchetta, tem diretrizes ligadas ao meio ambiente a cumprir, como a redução de energia e de consumo de papel. A área de TI tem a responsabilidade também de integrar suas iniciativas a outras áreas do laboratório, sendo que toda ação ligada ao meio ambiente, que seja ecologicamente responsável passa a ser regra para todos. O laboratório já fez consolidação e vistualização de seus servidores, trocou impressores por multifuncionais, e monitores por telas LCD. Agora é estudada a idéias de implementação de terminais thin client nos postos de atendimento. “Temos um banco de idéias ligado a ações de sustentabilidade que analisa cada projeto e sua viabilidade técnica. A maior parte das sugestões vem do departamento de TI”, diz Teresa.
    A HP Brasil criou uma área específica para o desenvolvimento de estratégias ligadas ao meio ambiente. Kami Saidi, diretor de operações para o Mercosul e líder do Comitê Green Team da HP Brasil, diz que as organizações esperam de seus CIOs (Chief Information Officer – título de cargo dado ao diretor de informática) uma ação mais pró-ativa em relação à sustentabilidade. “Na HP, o CIO, que tem um grande poder de decisão, nos envia um projeto piloto com novas idéias. Analisamos a viabilidade e a implantamos”, diz Saidi.

  10. SHORT PAPER

    Ecossistema é conjunto de seres vivos que em determinado local interagem com o ambiente ao seu redor de forma natural.
    A partir do momento em que a raça humana começou a afetar de forma negativa todo o ecossistema nas condições físicas, químicas ou biológicas, é denominado o termo poluição.
    Sustentabilidade é saber deixar o ecossistema vivo como um todo, olhando para todas as formas de vida, além disso, saliento que em 1987, em um relatório elaborado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento ressalta que sustentabilidade é “atender às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas necessidades”.
    Já começou um novo foco de desenvolvimento de tecnologias para reduzir ao máximo o impacto do homem no meio ambiente, é o chamado “TI VERDE”.

    CONCEITOS

    Continuando na idéia de sustentabilidade, percebemos o que está acontecendo ao nosso redor. “O aquecimento global já está transformando o mundo, mas o pior ainda está por vir. (…) A Antártida perdeu parte considerável de sua camada de gelo. A cada ano, o continente perde o equivalente ao consumo de água de 40 cidades como Los Angeles. A Groenlândia nunca esteve tão quente em 130 mil anos.” (NELSO FIGUERÓ, 2006).
    No Brasil, a principal responsável pela poluição do meio ambiente são as queimadas, segundo o IBGE, aproximadamente 1.244 cidades sofrem com a poluição atmosférica, praticamente metade da população brasileira. Poluição aquática atinge rios e enseadas onde 38% das cidades brasileiras são afetadas, com destaque para o estado do Rio de Janeiro onde 77% das cidades estão com seus rios e enseadas poluídas. Na poluição de solo vale ressaltar que mais de 60% vem do lixo doméstico e o restante de agrotóxicos e venenos usados em agricultura. A poluição dos oceanos pelo nitrogênio está prejudicando os ecossistemas marinhos e contribuindo para o aquecimento global, relatam duas revisões publicadas no jornal Science.
    Podemos ilustrar com uma pesquisa executada na Universidade do Texas A&M:
    Os humanos são responsáveis por até três por cento da nova produção marinha biológica anualmente. Enquanto a aumentada atividade biológica seqüestra CO2 da atmosfera, o processo produz óxido nitroso (N20), um gás de efeito estufa bem mais potente que o dióxido de carbono. Essa fertilização do oceano pelas atividades humanas tem um impacto importante na troca de gases de efeito estufa como o dióxido de carbono e oxido nitroso e deveriam ser considerados nos cenários futuros de mudança climática (ROBERT DUCE)

    A área da tecnologia determina apenas 2% da poluição mundial, entretanto tem sem dúvidas o maior índice de possibilidade de mudar todo o resto e assim diminuir a poluição em todas as áreas.

    CONCLUSÃO

    Pensando em sustentabilidade, empresas no mundo todo estão levando como preocupação e até marketing a idéia do “Green TI”. Como por exemplo, no site da SAP, uma empresa desenvolvedora de software, que diz um anúncio: “Ofertas da SAP para sustentabilidade como atender às necessidades de sustentabilidade dos clientes no presente – e no futuro”.
    A minha idéia seria reduzir a nossa parcela na poluição mundial. Mesmo que seja de pouca porcentagem, reduzindo o que gastamos em escritórios de desenvolvimento (Soft House) e a quantidade de lixo que geramos, partindo de dentro de nossos escritórios para soluções maiores como as do Green TI.
    Devemos começar de dentro da empresa:
     Reciclando lixo.
     Trocando os monitores CRT por LCD que tem um gasto até 60% menor de energia, sem falar na emissão de CO2 na atmosfera.
     Se for imprimir verifique a real utilidade desse papel que será impresso. Procure sempre poupar papel e energia.
    Por ano são cortadas em média de 468 milhões de árvores para fabricação de papéis.
     Além disso, devemos cuidar com a iluminação, sendo que na escassez dessa pode dilatar a nossa pupila fazendo os raios que o monitor emite prejudicar a visão.
    Por fim, podemos diminuir o nosso estrago aos ecossistemas, começando por nós mesmos, não esperar os outros, uma vez que cada um deve fazer a sua parte. Ressalto ainda que as tecnologias de informação podem ajudar muito nas outras áreas a reduzir o impacto no meio ambiente.

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1154&id_pagina=1
    http://www.ciberconecta.com/2009/06/ti-verde-e-sustentabilidade.html
    http://pt.wikipedia.org
    http://www.dimensaotech.com/2008/03/ti-meio-ambiente-e-sustentabilidade/
    http://www.sap.com/brazil/solutions/sustainability/offerings/index.epx
    http://www.ecoeacao.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=64&Itemid=41

    Por: Lucas Rhuan Fischer

  11. Fernando Pereira.

    1. CONCEITUAÇÃO

    1.1 – ECOSSISTEMA

    Conjunto da comunidade biótica, constituído de comunidades vegetais e animais, que mantém entre si um permanente troca.
    1.2 – POLUIÇÃO

    O termo refere-se à deterioração das condições físicas, químicas ou biológicas, que afetam negativamente a vida humana e de espécies animais ou vegetais. O conceito está de acordo com a significação etimológica do latim polluere, ‘manchar, molhar sujando, sujar, corromper’. A poluição modifica o meio ambiente, isto é, o sistema de relações onde a existência de uma espécie depende do mecanismo de equilíbrio entre processos naturais destruidores e regeneradores.
    Curiosidade: Desde a antiguidade há sinais de luta contra a poluição, mas esta só se tornou realmente um problema com o advento da Revolução Industrial.
    1.3 – SUSTENTABILIDADE

    Relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais.
    “Colocando em termos simples, a sustentabilidade é prover o melhor para as pessoas e para o ambiente tanto agora como para um futuro indefinido. Segundo o Relatório de Brundtland (1987), sustentabilidade é: “suprir as necessidades da geração presente sem afetar a habilidade das gerações futuras de suprir as suas”. Isso é muito parecido com a filosofia dos nativos dos Estados Unidos, que diziam que os seus líderes deviam sempre considerar os efeitos das suas ações nos seus dependentes após sete gerações futuras.”

    1.4 – TI VERDE

    “É o novo foco de desenvolvimento da informática na aplicação de tecnologias em prol da preservação do meio ambiente. Prioridade em sustentabilidade, nunca esteve tão em evidência como agora. Primeiro reconhecemos a necessidade de reciclar produtos e embalagens, depois nos conscientizamos da importância da redução no consumo de água e, mais recentemente, da neutralização das emissões de carbono. Agora estamos direcionando todo o desenvolvimento tecnológico para reduzindo o impacto do homem ao meio ambiente.”
    2. CONTEÚDO
    Seguindo esta linha de raciocínio podemos observar que muitas pessoas, órgãos e entidades estão adotando a palavra Sustentável como uma filosofia.
    “A todo o momento estamos ouvindo, lendo ou debatendo temas que apontam para as catástrofes, extinção de espécies e derretimento das geleiras causado pelo famoso aquecimento global e tudo isso, claro, culpa nossa.” (Gabriel Domingues, 2008).
    Contudo, vejo ainda muitas pessoas que não estão preocupadas. Que sabem dos problemas, da necessidade de agir, porém são negligentes e mantêm uma postura passiva esperando que os outros façam algo.
    Num primeiro momento podemos fazer uma distinção das organizações que afetam direta ou indiretamente o meio ambiente. Empresas como tinturarias, metalúrgicas entre outras podem prejudicar DIRETAMENTE (por possuírem processos que utilizam recursos naturais e liberam resíduos). Já uma empresa de desenvolvimento, eu diria que, afeta INDIRETAMENTE ou talvez o impacto dos danos seja apenas menos perceptível ou realmente em menor escala.
    Focando nas empresas de desenvolvimento de software temos basicamente o consumo de energia elétrica, água, comida. Demandando pouco espaço físico por pessoa e/ou equipamento, porém muitos recursos naturais desde peças para montar um computador até o copo descartável que o programador utiliza para tomar água durante o dia.

    Algumas sugestões:
    * Reduza ao máximo a produção de lixo. Recicle! Reaproveite!

    * Troca dos monitores CRT para monitores LCD o que proporciona uma economia de até 60% em energia elétrica e reduz a emissão de CO2 na atmosfera.

    * Extermine seu protetor de tela (screensaver): muitas pessoas simplesmente ignoram o fato de que estão desperdiçando energia elétrica quando deixam o monitor ligado sem utilização por muito tempo. Isto é relevante, pois o monitor é responsável por até 80% do consumo de energia elétrica do PC.

    * Desligue o monitor caso seu almoço seja realmente demorado, pois quando ligamos um monitor destes, ele necessita de muita energia elétrica para estabilizar a imagem e esta energia é equivalente ao gasto do monitor ligado por aproximadamente 30 minutos. Sendo assim também não compensa desligar e ligar seu monitor a cada vez que você vai ao banheiro. Faça um cálculo de quanto tempo você ficará ausente, se este for prolongado, aí sim desligue. Monitor ligado também é sinônimo de aumento de temperatura no ambiente (estes aparelhos transformam parte da energia elétrica em calor para poder gerar a imagem). Conseqüentemente temos mais ventiladores ou condicionadores de ar para manter o ambiente agradável e isto significa mais consumo de energia elétrica.

    * A iluminação do ambiente também deve ser adequada, nem demais, nem de menos. Dê preferência a lâmpadas mais econômicas.
    “Após períodos que a miniaturização e a potência eram prioridades para a informática, passamos a observação de que a portabilidade e a capacidade de processamento precisam acompanhar baixo consumo de energia, mínima emissão de calor, maior tempo de vida útil e total suscetibilidade a reciclagem. É a essa nova necessidade de adequação tecnológica que podemos chamar de TI Verde e sustentabilidade.”
    Segundo uma pesquisa recente realizada pela IBM com mais de mil executivos de 12 países, cerca de 50% das companhias em todo o mundo já implantaram algum tipo de medição de consumo de energia para infra-estruturas de TI. No Brasil, este índice já alcança 66% das organizações, o que torna o País um dos mais preocupados quando o assunto é o consumo de eletricidade.
    * Vai imprimir? Verifique a real necessidade da impressão. Pense sempre que para cada folha impressa vai embora um pedaço de uma árvore, árvore esta que absorve grande quantidade de água (amenizando cheias), que transforma gás carbônico em oxigênio e ainda nos proporciona uma sombra agradável e fresca em dias ensolarados.

    Para diminuir o uso de folhas (para notas fiscais) e facilitar o processo em São Paulo foi criada uma portaria (Portaria CAT- 79 de 10-09-2003), já adotada também em outros estados do país, que permite determinados segmentos imprimir NO BOLETO também informações da NOTA FISCAL. Antes o boleto era impresso e era anexado a ele a nota fiscal separada, ou seja, mais folha, mais tinta, mais energia para imprimir.
    A título de conhecimento, estudos indicam que para produzir uma tonelada de papéis novos são necessárias, em média, 22 árvores, 10 mil litros de água e 5 MW/hora de energia.
    Outro item importante a ser analisado é o descarte de equipamentos e/ou peças eletrônicas que são nocivas ao meio ambiente. É importante que as empresas criem políticas de reutilização/descarte dos equipamentos. Evitando assim que estes itens cheguem ao meio ambiente ou pelo menos que cheguem de uma forma menos agressiva. Acredito que deveria existir um posto de recolhimento de placas, monitores entre outros itens como é o caso dos postos de recolhimento de “pilhas”.
    Para finalizar penso que podemos (como analistas / desenvolvedores de sistemas) tirar um tempo e verificar se nosso sistema gera direta ou indiretamente impactos no meio ambiente, analisando formas de reduzir estes impactos.

    3. CONCLUSÃO

    Há uma necessidade de conscientização maior das organizações e principalmente das pessoas em geral. Contudo verificamos a necessidade de mudança nos hábitos das pessoas e a criação de uma motivação para a preservação dos ecossistemas. Não adianta saber que precisa preservar sem agir e de fato preservar.
    Podemos começar com pequenos passos como a redução do consumo de energia e água. Fazer um esforço para aprimorar os processos organizacionais de modo que estes diminuam o desperdício de papel e materiais descartáveis. E quem sabe assim nosso futuro seja menos desastroso…

  12. O conceito de sustentabilidade aplicada à causa ambiental revela que uma comunidade é sustentável quando satisfaz plenamente suas necessidades de forma a preservar as condições para que futuras gerações façam o mesmo. Do mesmo modo, atividades processadas por agrupamentos humanos não podem interferir de forma prejudicial os ciclos de renovação da natureza e nem destruir esses recursos prejudicando a assistência às futuras gerações.

    Devemos aplicar a sustentabilidade em empreendimentos enquadrando em alguns parâmetros básicos que consistem em ser ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e ser culturalmente aceito. Com estes parâmetros os empreendimentos devem ser capazes de impactar positivamente os grupos de humanos por ele afetados, no presente e no futuro.

    Para a empresa onde trabalho, proponho a captação e a utilização da energia solar em determinados setores onde o consumo de energia não é tão elevado, mas que é indispensável a utilização da energia vinte e quatro horas por dia (luzes em depósitos por exemplo).

    Apesar do custo inicial de implantação, posteriormente haverá uma economia significativa em relação ao consumo de energia elétrica, além de não poluir o meio ambiente durante seu uso.

    Denis Benner.

    Fonte: Carlos Abreu; 19/09/2008.
    Disponível em: http://www.atitudessustentaveis.com.br/sustentabilidade/conceito-sustentabilidade-empreendimentos-construcao-civil/

  13. Ecossistema – Conceito/Definição

    Fonte: Ecologia: “Ecossistema e Cadeia Alimentar”, no site do Centro de Divulgação Científica e Cultural da Universidade de São Paulo, Brasil http://educar.sc.usp.br/ciencias/ecologia/ecologia.html#ecosis
    Autor: Sem autor especificado
    Acessado em: 10 set 2009.

    Conforme o autor o Ecossistema consiste em um determinado local, seja uma vegetação de cerrado, mata ciliar, caatinga, mata atlântica ou floresta amazônica, com todas as relações dos organismos integrantes entre si e com seu meio ambiente, ou de outra forma, o ecossistema pode ser definido como sendo um conjunto de comunidades interagindo entre si e agindo sobre e/ou sofrendo a ação dos fatores externos. Dentro do conceito de ecossistema, ainda cabe definirmos o conceito de hábitat, pelo qual entendemos o ambiente físico o qual ocorre(m) uma(s) determinada(s) espécie(s).

    Valmor Burkhardt Junior

    Opinião sobre Sustentabilidade com Tecnologia da Informação nas Organizações

    Hoje em dia, o grande diferencial das empresas pode estar em desenvolver e aplicar políticas de sustentabilidade, uma vez que os produtos e ou serviços oferecidos estão cada vez mais parecidos. A sustentabilidade pode ser a chave do diferencial competitivo nas organizações e pode ser aplicada na linha de produção dos produtos, na convivência com a sociedade e também na melhoria do ambiente que circunda a organização.
    Através da Tecnologia da Informação, as organizações podem buscar melhorar os processos de elaboração de produtos e serviços apresentados ao mercado, como por exemplo, no levantamento de informações na linha produtiva, visando a redução do consumo de matéria-prima, de resíduos industriais e outros itens necessários – em especial a água e energia elétrica – bem como toda a linha de produção , sem prejudicar a qualidade do produto final.

  14. Ecossistema é o conjunto dos relacionamentos que a fauna, flora, microorganismos e o ambiente, composto pelos elementos solo, água e atmosfera mantém entre si. Todos os elementos que compõem o ecossistema se relacionam com equilíbrio e harmonia e estão ligados entre si. A alteração de um único elemento causa modificações em todo o sistema podendo ocorrer a perda do equilíbrio existente. Se por exemplo, uma grande área com mata nativa de determinada região for substituída pelo cultivo de um único tipo de vegetal, pode-se comprometer a cadeia alimentar dos animais que se alimentam de plantas, bem como daqueles que se alimentam destes animais
    Biografia:
    http://wiki.educartis.com/wiki/index.php?title=Ecossistema
    Sustentabilidade é atender as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta e das gerações que estão por vir, é deixar como herança aos nossos filhos uma terra pródiga, saudável, onde todos poderão realizar o ideal de uma vida saudável e digna.
    O conceito de sustentabilidade (ou desenvolvimento sustentável) surgiu em 1987, a partir de uma manifestação crítica da ONU sobre o rumo predatório do modelo de desenvolvimento econômico, principalmente nos países desenvolvidos. Assim, entende-se por desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades.
    Às empresas de TI, foi reservado um importante papel na aplicação dos conceitos de sustentabilidade, uma vez que a Tecnologia da Informação está presente em todo comércio, seja individual ou coletivo, na moderna vida do planeta.
    Biografia:
    http://www.pgopen.com.br/sustentabilidade-em-t-i/
    http://www.profissionaisti.com.br/2009/01/sustentabilidade-em-ti-indo-alem-da-ti-verde/
    Exemplo:
    Um exemplo de sustentabilidade que a ti pode nos trazer é a possibilidade de as pessoas começam a trabalhar a partir de casa e mudam de casa para zonas mais bonitas fora da cidade evitando deslocamentos ate o trabalho evitando assim a poluição e fazendo uma descentralização de grandes centros..
    Com a internet os caminhos podem ser encurtados..

    Marlon Amorim

  15. Ecossistema designa o conjunto formado por todos os fatores bióticos e abióticos que atuam simultaneamente sobre determinada região. Considerando como fatores bióticos as diversas populações de animais, plantas e bactérias e os abióticos os fatores externos como a água, o sol, o solo, o gelo, o vento.

    A alteração de um único elemento costuma causar modificações em todo o sistema, podendo ocorrer a perda do equilíbrio existente. Todos os ecossistemas do mundo formam a Biosfera.

    A base de um ecossistema são os produtores que são os organismos capazes de fazer fotossíntese ou quimiossíntese. Produzem e acumulam energia através de processos bioquímicos utilizando como matéria prima a água, gás carbônico e luz. Em ambientes afóticos (sem luz), também existem produtores, mas neste caso a fonte utilizada para a síntese de matéria orgânica não é luz mas a energia liberada nas reações químicas de oxidação efetuadas nas células (como por exemplo em reações de oxidação de compostos de enxofre). Este processo denominado quimiossíntese é realizado por muitas bactérias terrestres e aquáticas.

    pt.wikipedia.org

    Exite um sitema de iluninação de ambientes atraves de fibra optica e luz solar. Esse sistema ajuada na economia de eneria e ajuda a minimizar o desmatamento com hidroeletricas.

    http://www.sunlight-direct.com/

  16. “Complexo dinâmico de comunidades vegetais, animais e de microorganismos e seu meio inorgânico, que interagem como uma comunidade funcional, em um determinado espaço, de dimensões variáveis.” – Master Santucci
    Assim entende-se ecossistema como uma comunidade de organismos que interagem entre si e com o meio-ambiente ao qual pertencem, onde estes organismos são influenciados por fatores químicos e físicos.
    Um exemplo é a relação entre coelhos, plantas e gaviões. Os coelhos dependem das plantas como alimento, sendo assim com o crescimento de mais plantas os coelhos serão mais bem nutridos e assim terão ninhadas mais saudáveis.
    Com o aumento na população de coelhos diminuirá a quantidade de alimentos para a cada coelho, aumentando a competitividade. Sendo assim os mais fracos sofrerão de doenças e serão alvo fácil para os gaviões.
    Dessa maneira os gaviões também serão afetados. Com um aumento de coelhos, haverá mais alimentos e sua população cresce também. Com mais gaviões caçando, haverá uma redução gradual na população de coelhos. E assim o ecossistema estará equilibrado de maneira que possa sustentar sua população.
    Assim temos a sustentabilidade que se entende como “aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades.” (Alex Prado).
    Ou seja, onde os organismos consigam suprir suas necessidades sem comprometer o ecossistema de maneira a deixá-lo fora de equilíbrio. Um exemplo é a destruição das florestas que apesar de suprir nossas necessidades atualmente, num futuro não tão distante poderá causar problemas para as gerações futuras, forçando as mesmas a encontrarem outras maneiras de atender suas necessidades.
    Uma aplicação em sustentabilidade pode ser o próprio desenvolvimento de sistemas de automação. Muitas empresas, principalmente indústrias consomem quantidades enormes de papel na geração de documentos. Com a digitalização de muitos desses documentos, pode-se diminuir consideravelmente o consumo de materiais, como papeis, tintas, etc.
    Apesar de ser necessário utilizar servidores para armazenar todos esses documentos, existem esforços para consumir cada vez menos energia e a utilização de materiais recicláveis na produção dos componentes. Sendo assim, pode-se considerar que com isso não só seriam reduzidos os custos, como também seria reduzida a necessidade principalmente pelo uso do papel.
    Referências
    http://plenariovirtual.blogspot.com/2008/05/geografia-termos-geogrficos-letra-e.html
    http://klickeducacao.ig.com.br/2006/enciclo/encicloverb/0,5977,IGP-8674,00.html
    http://imasters.uol.com.br/artigo/11140/sustentabilidade_em_ti_indo_alem_da_ti_verde

  17. Ecossistemas

    Ecossistema (grego oykos, casa + σύστημα) designa o conjunto formado por todos os fatores bióticos e abióticos que atuam simultaneamente sobre determinada região. Considerando como fatores bióticos as diversas populações de animais, plantas e bactérias e os abióticos os fatores externos como a água, o sol, o solo, o gelo, o vento…

    A alteração de um único elemento costuma causar modificações em todo o sistema, podendo ocorrer a perda do equilíbrio existente. Todos os ecossistemas do mundo formam a Biosfera.

    A base de um ecossistema são os produtores que são os organismos capazes de fazer fotossíntese ou quimiossíntese. Produzem e acumulam energia através de processos bioquímicos utilizando como matéria prima a água, gás carbônico e luz. Em ambientes afóticos (sem luz), também existem produtores, mas neste caso a fonte utilizada para a síntese de matéria orgânica não é luz mas a energia liberada nas reações químicas de oxidação efetuadas nas células (como por exemplo em reações de oxidação de compostos de enxofre). Este processo denominado quimiossíntese é realizado por muitas bactérias terrestres e aquáticas.

    Dentro de um ecossistema existem vários tipos de consumidores, que juntos formam uma cadeia alimentar.

    Sustentabilidade em TI

    Sustentabilidade em TI pode ser definida como a utilização eficiente dos recursos organizacionais
    e a minização das perdas e efeitos nocivos ocasionados pelo uso da Tecnologia da Informação.

    O conceito de sustentabilidade (ou desenvolvimento sustentável) surgiu em 1987, a partir de uma manifestação crítica da ONU sobre o rumo predatório do modelo de desenvolvimento econômico, principalmente nos países desenvolvidos. Assim, entende-se por desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades.

    Atualmente este conceito vem sendo fortemente associado à preservação do meio ambiente, que por si só não traduz sustentabilidade. O desenvolvimento sustentável se dá em três aspectos: econômico, social e ambiental, crescendo à medida que a interseção destes aumenta.

    TI Verde
    O tema já estava na lista das preocupações das empresas em 2008, e deve ganhar força com o passar dos anos por conta de fatores como redução de custos e conformidade. No primeiro caso, a adoção de produtos e abordagens mais eficientes pode permitir o uso de mais equipamentos com o mesmo consumo de energia elétrica, ou a redução deste item nos orçamentos. Por outro lado, vários governos do mundo vêm adotando regulamentações a respeito, o que pode levar várias empresas a considerar planos alternativos para a construção de seus data centers, por exemplo. Há ainda um terceiro fator, que é a formação da imagem de empresa sustentável, característica que começa a ser levada em consideração pelos consumidores.

    Problematicas atuais:

    – O setor de TI já é o maior responsável pelo aquecimento global, emitindo mais dióxido de carbono que o setor de aviação.

    – 2% das emissões de carbono para a atmosfera vem do setor de TI.

    – O consumo de energia do setor de TI vai dobrar até o ano de 2.020.

    – Os microcomputadores representam entre 40% do consumo de energia e 30% das emissões de dióxido de carbono do setor de TI.

    – 140.000 toneladas de microcomputadores, telefones, televisores e pequenos componentes eletrônicos são acumulados a cada ano, somente no Canadá.
    Deste total, estima-se que 4.750 toneladas são somente de microcomputadores, representando 4,5 toneladas de cádmio e 1,1 toneladas de mercúrio.

    Previsões:

    – No ano de 2009, terá destaque por parte das organizações o tema Governanla de “TI Verde”,
    também chamada de “TI Verde”, que norteará projetos e processos de Tecnologia de Informação, que serão reformulados para atender os novos padrões impostos pela necessidade de manter-se a
    sustenbilidade ambientel.

    – Acredita-se que surgirão as primeiras certificações de Gestores de TI com especialização em projetos verdes (GIM – Green IT Management). A previsão é que as organizações buscarão, além da certificação ISO 14.001, a certificação européria “IEC ESPM QM 08000” para atender os padrões da RoHs (Restriction of Certain Hazardous Substances), que estabelece em regras para o uso de substancias perigosas em produtos eletroeletrônicos.

    Fontes:
    http://www.administradores.com.br/artigos/sustentabilidade_em_ti/26614/
    http://www.slideshare.net/ivan_luizio/ti-e-sustentabilidade-ambiental
    http://lixotecnologico.blogspot.com/

  18. O que é Sustentabilidade?
    Segundo a Wikipédia: Sustentabilidade é um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade.
    Mas afinal de contas; O que é sustentabilidade? E o que quer dizer isso?
    Sustentabilidade nos dicionários estará definida como a capacidade de ser sustentável. Mesmo parecendo uma redundância; esse conceito quando aplicado em relação à atuação humana frente ao meio ambiente em que vive é plenamente compreendido e se assenta como uma luva. Nesse contexto, entendemos que sustentabilidade é a capacidade de um indivíduo, grupo de indivíduos ou empresas e aglomerados produtivos em geral; têm de manterem-se inseridos num determinado ambiente sem, contudo, impactar violentamente esse maio. Assim, pode-se entender como a capacidade de usar os recursos naturais e, de alguma forma, devolvê-los ao planeta através de práticas ou técnicas desenvolvidas para este fim.
    Desta forma, pode-se dizer que um empreendimento sustentável, ele devolve ao meio ambiente todo ou parte dos recursos que processou e garante uma boa qualidade de vida as populações que nele atuam ou que vivam nas imediações ou na área afetada pelo projeto. Garantindo assim, uma longa vitalidade e um baixo impacto naquela região durante gerações. Muito além das definições, o ideal de sustentabilidade total, onde toda a influência provocada, por um agrupamento humano ou em empreendimentos; é anulado através dos procedimentos adotados ainda é muito difícil. Mesmo assim, é importante ter em mente que adotar as práticas que transformem nossa presença em determinado lugar o mais sustentável possível é a única saída para determos a degradação ambiental que estamos experimentando nos últimos anos e as graves alterações climáticas que vemos causar grandes desastres em diversas partes do planeta.
    É necessário entender o que é sustentabilidade é muito mais conhecer seu significado bonito e orientado para empresas e organizações ligadas ao meio ambiente. É muito importante entender e saber que a adoção de práticas sustentáveis na vida de cada indivíduo é um fator decisivo para possibilitar a sobrevivência da raça humana e a continuidade da disponibilidade dos recursos naturais.
    Ao atuarmos de forma irresponsável e queimarmos indiscriminadamente nossos recursos naturais, sem dar tempo ao planeta para se recuperar, estamos provocando a escassez de recursos necessários a nossa sobrevivência e dificultando a vida de milhões de pessoas. Um exemplo clássico disso é a falta de água potável que muitas comunidades vem enfrentando em alguns países e que, se uma forma mais grave de escassez se manifestar, acabará causando guerras pela posse e conquista das fontes de água potável remanescentes.
    Se todos entendessem a importância da adoção de práticas de sustentabilidade desde muito cedo; todas essas alterações climáticas poderiam ser evitadas ou retardadas ao máximo e os recursos naturais estariam disponíveis e fartos por muito mais tempo. O que daria tempo para a humanidade buscar formas mais eficientes para resolver esses problemas em longo prazo.
    Ações aparentemente simples e de pouco impacto, quando tomadas por um grande número de pessoas, tornará a sustentabilidade uma realidade palpável e real em qualquer parte onde haja a presença humana e garantirá a sobrevivência de nossa espécie por muito mais tempo.

    Fonte: http://www.ecologiaurbana.com.br/sustentabilidade/o-que-e-sustentabilidade/

    Exemplo:

    Um exemplo que poderia ser utilizado é a questão do aproveitamento da água, como expus em aula. Funcionaria com a coleta da água da chuva e o armazenamento em sisternas para o reaproveitamento da água em banheiros, limpeza de calçadas, etc…
    No nordeste pro exemplo, tem determinadas épocas do ano em que chove e outras não, então no período chuvoso poderia ser coletada a água para utilização na época de seca.

  19. Ecossistema é todo local onde há vá seres vivos que interagem entre sí e com o meio onde vivem. Para exemplo de ecossistemas podemos sitar locais como, florestass, rios, lagos entre outros.

    Sustentabilidade é quando um indivíduo ou empresa tem a capacidade de se manter em um ambiente sem impactar violentamente neste meio, ou até caso utilize conseguir repor estes recursos utilizados.

    Um exemplo de sustentabilidade seria a implantação de terminais Team Client, onde não seria necessário todo e qualquer atendente possuir um gabinete e sim somente um monitor e um equipamento Team Client. Existem hoje já monitores LCD com estes equipamentos internos, sem a necessidade de um aparelho separado. Hoje muitos CALL CENTER que já aderiram à utilização destes equipamentos por diminuir os custos com energia e até com equipamento.

  20. Ecossistema

    Ecossistema designa o conjunto formado por todas as comunidades que vivem e interagem em determinada região e pelos fatores abióticos que atuam sobre essas comunidades.
    Consideram-se como fatores bióticos os efeitos das diversas populações de animais, plantas e bactérias umas com as outras e abióticos os fatores externos como a água, o sol, o solo, o gelo, o vento. Em um determinado local, seja uma vegetação de cerrado, mata ciliar, caatinga, mata atlântica ou floresta amazônica, por exemplo, a todas as relações dos organismos entre si, e com seu meio ambiente chamamos ecossistema. Ou seja, podemos definir ecossistema como sendo um conjunto de comunidades interagindo entre si e agindo sobre e/ou sofrendo a ação dos fatores abióticos.
    Todos os elementos que compõem o ecossistema se relacionam com equilíbrio e harmonia e estão ligados entre si. A alteração de um único elemento causa modificações em todo o sistema podendo ocorrer a perda do equilíbrio existente. Se por exemplo, uma grande área com mata nativa de determinada região for substituída pelo cultivo de um único tipo de vegetal, pode-se comprometer a cadeia alimentar dos animais que se alimentam de plantas, bem como daqueles que se alimentam destes animais.

    Sustentabilidade

    A sustentabilidade em TI representa a capacidade da empresa em gerir seus ativos tecnológicos de forma eficiente, mantendo o equilíbrio com a sociedade e o meio ambiente e isto está diretamente ligado à relevância da TI (a tecnologia e a informação) à visão de futuro das organizações envolvidas.
    A sustentabilidade ou desenvolvimento sustentável, segundo a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD( da Organização das Nações Unidas, é aquele que atende às necessidades presentes sem comprometer de que as gerações futuras satisfaçam as suas próprias necessidades. Ou seja, é o desenvolvimento econômico, social, cientifico e cultural das sociedades garantindo mais saúde, conforto e conhecimento, sem exaurir os recursos naturais do planeta.
    Por isso, todas as formas de relação do homem com a natureza devem ocorrer com o menor dano possível ao ambiente. As políticas, os sistemas de produção, a transformação, o comercio, os serviços – agricultura, industria, turismo, mineração – e o consumo tem de existir preservando a biodiversidade.
    A partir do momento em que viu que as ações do ser humano no meio ambiente podem colocar fim a própria existência, começou-se a criar técnicas para desenvolver atividades agrícolas, industriais e empresarias sem que haja tanto desperdício, ou agressão a natureza.

    A transformação proporcionada pela sustentabilidade é muito profunda, lida com mudanças de valores, novas formas de se produzir, negociar, comunicar, relacionar e lidar com problemas, porem esses resultados aparecem em longo prazo, projetos de sustentabilidade requerem, muitas vezes, períodos de dez, quinze anos para que os resultados justifiquem o investimento.

    A área de TI vem contribuindo cada dia mais para o desenvolvimento da sustentabilidade, criando softwares para reduzir custos e riscos no negocio, trazendo quais são as maquinas e equipamentos que estão ociosos, que estão gastando mais energia, enfim, criando softwares cujo foco é desenvolver uma visão sistêmica de sustentabilidade aplicada a gestão estratégica de organizações, inclusive financeira.

    Exemplo de sustentabilidade:

    Virtualização: que é a automatização de vários recursos em um mesmo hardware.
    Em uma definição livre, virtualização é o processo de executar vários sistemas operacionais em um único equipamento. Uma máquina virtual é um ambiente operacional completo que se comporta como se fosse um computador independente. Com a virtualização, um servidor pode manter vários sistemas operacionais em uso.

    A vantagem é prioritariamente, econômica. Com a iminente crise ambiental global (principal fomentadora da TI verde) e a crescente necessidade de diminuir o desperdício de recursos (incluída aí a energia elétrica), não há nada mais natural que o surgimento de alternativas para otimizar o uso de tais recursos.

    Agora pense em um computador no qual opere um servidor de e-mails: mesmo que o disco rígido seja plenamente utilizado, não se pode dizer o mesmo sobre sua capacidade de processamento: enquanto ela pode chegar ao ápice em horários de pico (como às 15h), também pode se aproximar da ociosidade durante a madrugada. E se essa “sobra” fosse usada para gerar relatórios, aproveitando melhor o tempo e processamento livres? Na teoria, surtiria a tão desejada economia de recursos; na prática, isso é obtido através da virtualização.

  21. Conjunto de seres vivos e do meio ambiente em que eles vivem, e todas as interações desses organismos com o meio e entre si. São exemplos de ecossistema uma floresta, um rio, um lago ou um jardim. A própria camada ao redor da Terra onde vivem todos os organismos vivos, chamada de biosfera, é considerada por alguns cientistas um único e enorme ecossistema.

    Os ecossistemas apresentam dois componentes básicos: as comunidades vivas (biótico) e os elementos físicos e químicos do meio (abiótico). A parte biótica é formada por plantas, animais e microrganismos. A porção abiótica é o conjunto de nutrientes, água, ar, gases, energia e substâncias orgânicas e inorgânicas do meio ambiente. Os ecossistemas são subdivididos em pequenas unidades bióticas, conhecidas como comunidades biológicas. São compostas de duas ou mais populações de espécies interdependentes, como, por exemplo, o conjunto da flora e fauna de um lago. As grandes comunidades biológicas do planeta, como a floresta Amazônica e a tundra ártica, são também chamadas de biomas.

    Cadeia alimentar – É o ciclo vital que garante o equilíbrio e a reprodução dos ecossistemas. A transferência de matéria e energia de um organismo para outro é feita sob a forma de alimento. Os diferentes seres vivos de um ecossistema ocupam posições bem definidas dentro da cadeia alimentar. Ela é formada por três níveis: produtor, consumidor e decompositor. O produtor são as plantas verdes, os únicos seres vivos capazes de fabricar seu próprio alimento por meio da fotossíntese. O consumidor, que não produz seu próprio alimento, pode ser animal, herbívoro ou carnívoro. O decompositor completa o ciclo vital ao decompor a matéria orgânica presente em plantas e animais mortos, transformando-a novamente em compostos inorgânicos que alimentam as plantas. A manutenção da estabilidade da cadeia alimentar depende, entre outros fatores, da preservação das espécies.

    —————————————————————————————–

    Exemplo de sustentabilidade:

    No complexo do Porto de Navegantes a sustentabilidade se fez presente no gerenciamento de muitas das instalações, destacando-se os projetos de ar condicionado, refrigeração e tratamento de ar e água.

    O consumo de energia elétrica, em função da racionalização e das tecnologias utilizadas, é a base mais econômica do projeto de sustentabilidade. A qualidade do ar obtida e a racionalização do projeto devem-se ao ar externo filtrado, a posição solar dos prédios, sombras, correntes de ar favoráveis, bom isolamento térmico, fator de uso adequado e utilização de unidades cassetes que garantem um micro clima interno, individualizando as condições de conforto e economizando frio.

    Com um acúmulo grande, a água da chuva é filtrada e tratada, empregada em diversas utilidades, como o condensador evaporativo para sistema de frio, a lavagem de pallets e caminhões e necessidades de múltiplo uso, como jardim, pisos, containers, manutenção, vasos sanitários, lavagem externas do complexo de câmaras e outras.
    Já a água de degelo contribui com água recirculada da chuva e degelo, obtendo-se 62 m3/dia de água armazenada na temperatura. O total é de 11h de ar condicionado em operação.

  22. Casa Solar Flex

    A Casa Solar Flex é um projeto para ficar pronto até 2012, está sendo desemvolvido por seis faculdades brasileiras, Unicamp, UFRJ, UFMG, UFSC, UFRGS e a USP. A casa terá um sistema de 64 paineis solares, através desses painéis serão gerados energia solar onde vai conseguir alimentar todo o uso da casa além de sobrar energia dependendo a época do ano.
    Além da geração de energia solar, a casa também vai ter captura de agua da chuva para realização das funções básicas de uma casa, conforme agua para o vaso sanitário, para molhar as plantas, lavar calçadas entre outras utilizades onde nao precisamos de água 100% potável.
    Hoje em dia se torna muito caro montar uma casa nesse estilo, por motivos dos painéis solares serem importados da Europa, mas dois engenheiros da PUC do Rio Grande do Sul são responsavéis por uma iniciativa quase isolada, produzindo projetos de painéis semelhantes aos importados, assim conseguimos baixar o valor do mesmo.

    Esse sistema é muito útil e o que irá acontecer no futuro com o uso da tecnologia, pois é um sistema sustentável e natural, ocupando a beleza do ecossistemas sem afetar o mesmo, sem poluir e destruir. Então se torna um investimento mas também em longo prazo vamos ter resultados surpreendentes em economia de energia e reaproveitamento da água da chuva.

    Fonte: Revista Info – Dezembro 2010
    http://info.abril.com.br/arquivo/2010/dez.shtml p.38

  23. Desenvolvimento sustentável e TI Verde

    O Mundo está em completa mudança. A tecnologia desenvolvida nas últimas décadas trouxe grande avanço para a humanidade. A automação de processos, a industrialização e a utilização de combustíveis fósseis permitiram chegar aonde chegamos. Em muitas áreas ocorreu e em muitas ainda ocorre uma busca descontrolada pelo desenvolvimento, sem levar em conta o impacto disso tudo para o meio ambiente.

    O assunto TI Verde e o desenvolvimento sustentável de soluções nas mais variadas áreas vem se tornando assunto de debate por todo o mundo, principalmente entre as grandes empresas. Se continuarmos com esse ritmo de crescimento sem nos preocuparmos com o planeta terra, em breve estaremos em maus lençóis. É preciso agir, diminuir ou eliminar o impacto ambiental com idéias inovadoras para os mais variados recursos utilizados pelas empresas e pessoas.

    TI Verde é a prática sustentável de produção, gerenciamento e descarte de equipamentos eletrônicos, bem como a economia de energia elétrica. É preciso pensar em formas de utilizar novos tipos de recursos, re-aproveitar recursos já utilizados com a pretensão de diminuir o impacto e os perigos de contaminação para as pessoas e o meio ambiente.

    Um dos grandes problemas é a quantidade de lixo eletrônico. Como serão descartados os milhões de computadores, celulares, impressoras e monitores? Os materiais tóxicos utilizados na fabricação destes componentes podem ser substituídos? Como? Essas são perguntas pertinentes e que precisam mais do que nunca de uma resposta.

    Energia, é o recurso que nos fez chegar até aqui, através do petróleo como principal recurso para locomoção e das mais variadas formas de gerar eletricidade utilizando elementos da natureza. A forma de gerar energia precisa ser repensada, novos métodos, métodos sustentáveis que não agridam o meio ambiente precisam ganhar em investimentos e pesquisa. Utilizar de forma inteligente e adequada recursos naturais para gerar energia limpa.

    O mundo começa a clamar por tecnologias que diminuam o aquecimento global, várias empresas já voltam seu pensamento para este tema, daqui a algum tempo, as empresas que não o fizerem serão deixadas para trás, pois as pessoas exigirão este tipo de comprometimento, deixando de consumir produtos daquelas que não se adequarem. Já existem normas que certificam empresas em responsabilidade ambiental. A Dell produz seus equipamentos sem chumbo a mais de um ano. A HP recicla cartuchos há mais de uma década e a Motorola recicla suas baterias desde 1998 e os telefones são isentos de chumbo.

    Além de novas soluções, é preciso mudar a forma de pensar, é preciso pensar verde. Mudar o hábito das pessoas para tarefas básicas, tais como separar o lixo, imprimir frente/verso, realizar videoconferências para diminuir a utilização de meios de transportes que poluem. Uma das grandes tarefas será conscientizar todos a mudar esses simples hábitos e a tecnologia pode ajudar muito.

    O mundo depende mais do que nunca de um melhor equilíbrio entre homem e natureza, e o meio de atingir este equilíbrio será através da sustentabilidade. É preciso desenvolver um novo modelo econômico para que não comprometamos as gerações futuras. Todos têm a ganhar. As empresas que aderirem a este pensamento estarão reduzindo custos, agregando valor ao negócio. As pessoas poderão viver com melhor qualidade e garantirão um mundo melhor para futuras gerações.

    Algumas formas de implantar ações consideradas TI Verde nas organizações:

    • Compra de hardware eficiente de energia.
    • Tecnologia de gerenciamento de energia.
    • Virtualização de servidores.
    • Redução de temperatura nos Data Centers.
    • Uso de thin clients para reduzir uso de energia GPU.
    • Utilização mais eficiente pelos monitores.
    • Reciclagem e descarte de equipamentos.
    • Redução do consumo de papel.
    • Conscientização de seus profissionais (a grande barreira cultural).

    Fontes:
    http://www.profissionaisti.com.br/2009/01/sustentabilidade-em-ti-indo-alem-da-ti-verde/
    http://paulomoreirati.wordpress.com/2010/04/13/ti-verde-sustentabilidade-responsabilidade-e-reducao-de-custos/

  24. “A planeta tem todo tempo do mundo, nós não” foi a última frase pronunciada por um pesquisador no documentário “A Última Hora”. Se pensarmos nessa frase, conseguiremos perceber que o “ser” mais frágil é o ser humano e não o planeta terra. O planeta continuará existindo mesmo sem a nossa presença em sua biosfera.
    Então quando falamos em preservação do meio ambiente, estamos falando não somente na preservação do planeta, mas acima de tudo na preservação de nossa própria vida.
    A TI – Verde surge como uma forma de preservar nossa existência neste planeta através de algumas atitudes que podem ser tomadas na Tecnologia da Informação.
    Todo ano produzimos cada vez mais aparelhos eletrônicos, esses aparelhos geralmente possuem em seus componentes elementos altamente tóxicos e cancerígenos que se descartados na natureza podem trazer graves problemas ao meio ambiente, como por exemplo, a poluição de lençóis freáticos e do solo. Segundo o IDC, somente em 2007 foram vendidos cerca de 6 milhões de desktops no Brasil. Para onde irão estes equipamentos daqui uns 10 anos?
    Atualmente vivemos a era do conceito, vivemos em um tempo que ouvimos falar a todo o momento sobre sustentabilidade e preservação ambiental. Precisamos criar formas ambientalmente sustentáveis de produzir os equipamentos eletrônicos, substituindo no que for possível os elementos tóxicos usados nos componentes eletrônicos; utilizando forma de produção de energia renováveis como a eólica, solar, biocombutíveis, etc.; e, investindo em formas de reciclagem de equipamentos eletrônicos.
    Alguns exemplos interessantes de empresas que praticam TI – Verde podem ser citados aqui:
    • A DELL afirma que produz seus equipamentos sem chumbo desde 2007;
    • A HP que recicla cartuchos de impressão a mais de uma década;
    • E, a Motorola que recicla suas baterias desde 1998 e os telefones já são isentos de chumbo, cádmio e mercúrio;
    Mas estes ainda são apenas alguns poucos passos tímidos que estão sendo dados. Precisamos agir em conjunto. Tanto empresa quanto consumidor, todos precisam se conscientizar e fazer sua parte.

    Fontes:
    http//www.esteio.com.br/downloads/pdf/ti_verde.pdf – Acessado em 25/03/2011
    Documentário: A Última Hora.

  25. TI Verde em Blumenau, uma das possibilidades

    Cada vez mais o tema “melhor aproveitamento dos recursos” é colocado em primeiro plano nas discussões. Se antes era apenas uma questão econômica, agora é uma obrigação de cunho social pois envolve a responsabilidade das empresas perante o meio em que está estabelecida.

    A Tecnologia da Informação possui um papel importante nessa discussão, seja como “vilã” ao consumir muitos recursos (energia, derivados de petróleo, metais, etc), seja como fornecedora de soluções para o problema.

    Blumenau destaca-se como um dos principais pólos de informática do Brasil, qualidade essa que trás a tiracolo o problema do alto consumo de energia elétrica, seja através dos equipamentos de informática em si, seja da infra-estrutura de apoio (ar-condicionados).

    Em uma cidade com um clima caracterizado pela alta umidade e calor elevado no verão, com máximas que chegam perto dos 40 graus [1], o consumo de energia direcionada aos aparelhos de ar-condicionado tende a aumentar substancialmente.

    Cabe a nós Gestores de TI apresentar algumas soluções que, se não eliminam de vez, ao menos minimizam o problema. Diante desse desafio propõe-se:

    a) Substituir todos os monitores CRT ainda existentes por modelos LCD

    b) Fazer um levantamento das reais necessidades de cada trabalhador da empresa. Trabalhadores cuja necessidade computacional seja baixa (editores de texto, serviços WEB, etc) pode ter sua estação desktop substituida por estações thin-client, que gastam muito menos energia e não geram calor exagerado.

    c) Verificar quais servidores podem ser alocados em datacenters terceirizados. Essa solução em um primeiro momento pode parecer terceização do problema já que apenas estamos movendo a fonte de calor de lugar. No entanto temos que levar em consideração que provedores de Datacenters são especializados neste tipo trabalho, virtualizando vários servidores em uma só máquina, bem como tendo sistemas de refrigeração de alto desempenho.

    As soluções apresentadas além de atender demandas ambientais, possibilitarão no médio prazo uma redução no custo de energia elétrica, manutenção e aquisição de aparelhos de ar-condicionado e uma melhoria do ambiente de trabalho.

    [1] http://pt.wikipedia.org/wiki/Blumenau#Clima

  26. Uma possível medida a ser tomada para contribuir de alguma forma com a idéia da TI verde, poderia ser a proibição da impressão de propaganda. Não todo o tipo de impressão, mas especificamente a de panfletos, destes que são distribuídos na rua, e os utilizados para propaganda política. Este tipo de divulgação está ultrapassado, e já está mais do que provada a sua ineficácia.

    As pessoas não gostam de ser abordadas enquanto fazem seu percurso. Seja esta abordagem para entregar propaganda, fazer uma entrevista rápida (o famoso “são só 5 perguntinhas!”), ou o que for. Todos os dias, ao ver alguém entregando panfletos na rua, as pessoas fazem o que podem para fugir do mesmo: o que vai desde tentar se esconder atrás de outra pessoa à atravessar a rua para não ter que pegar o panfleto. Se não tem jeito, passam o mais rápido que podem pelo “panfleteiro”, ignoram-no, ou pegam o panfleto e jogam no primeiro lixo que encontram. Particularmente, adotei a atitude de dizer “não, obrigada”, pois me sentia mal com a idéia pegar algo para quase que instantaneamente jogar no lixo.

    Dificilmente encontra-se alguém que não possua um computador ou uma televisão em casa. A situação pode parecer absurda, mas mesmo famílias de baixa renda, muitas vezes não possuem geladeira ou fogão em suas casas, mas possuem uma televisão. A propaganda pode abranger seu público, então, através dos meios televisivos, rádio e internet. Você provavelmente não se recorda do panfleto que recebeu na rua ontem e jogou fora, mas com certeza lembra do produto daquela propaganda engraçada (ou de mau gosto) que viu na televisão/internet.

    Se ainda não for suficiente o gasto de papel sem sentido e que não traz um resultado nem de longe eficiente como a divulgação através dos outros meios, pense na imundice que ficam as ruas nas épocas de eleição; elas viram um mar de papel. E estes santinhos emporcalhando a rua dão o dobro de desgosto do que aqueles que fazem propaganda de alguma festa, porque você sabe que eles foram impressos com o seu dinheiro.

  27. Desmistificar o tema e aplicar as ações factíveis:

    Acredito que como gestor de TI, temos que pensar em soluções inovadoras no nosso processo, na organização que atuamos. Como já verificamos o conceito não é inovador, há tempos temos idéia e sabemos dos dilemas envoltos no assunto TI Verde, como por exemplo, a redução da utilização de energia, reaproveitamento, descarte de eletrônicos, emissão de CO².
    Portanto o que precisamos é na prática de ações inovadoras, para que no dia-a-dia possamos implementar pequenas ações “verdes” no nosso processo.
    Hoje ações como virtualização, desligamento dos monitores quando não estão em utilização, e descarte seletivo dos equipamentos já são ações viáveis, que com procedimentos estabelecidos são factíveis no dia-a-dia.
    Acontece que as vezes “mistificamos” o assunto como se fosse algo ainda distante da realidade, porém como gestor, vejo essas ações maiores, como por exemplo da Google que desenvolveu um datacenter auto-sustentável em auto-mar (produz to a energia necessária para alimentação dos equipamentos através do movimento das ondas e dos ventos), como precursores das pequenas ações nas nossas organizações.

  28. Sustentabilidade

    O mundo está da forma que está devido à forma de pensamento imposta pelo capitalismo e pela falta de consciência ecológica aplicada nos princípios morais e na formação dos profissionais, mas este contexto vem mudando a cada geração.
    Podemos dizer que um dos maiores desafios de hoje e do futuro é dar destino correto aos produtos industriais. Todas as indústrias produzem lixo tóxico e/ou que não são ecologicamente corretos e contribuem para o aquecimento global, e podemos citar o plástico e os combustíveis fósseis um dos maiores vilãos que são utilizados. Para exemplificar isso, conforme citado por Eliana Ferreira Cascaes Correia, que é Engenheira da Computação e responsável pelo Departamento de Tecnologia da Informação da empresa Esteio Engenharia e Aerolevantamentos S.A, “segundo a informação do livro Computers and the Environment: Understanding and Managing their impacts, lançado em 2004 pela Universidade da Organização das Nações Unidas (ONU), demanda em média 240 kg de combustíveis fósseis, 22 kg de produtos químicos e cerca de 1,4 mil litros de água para a produção de uma estação de trabalho com monitor CRT de 17 polegadas”.
    Quanto ao combustível fóssil, a única alternativa existente para diminuir o impacto de sua utilização, é realizar a sua substituição por uma fonte de energia alternativa, como por exemplo, o Etano, que produz menos contaminação, mas que se analisada as proporções, já seria um grande avanço. Quanto à utilização do plástico, existem estudos que já estão muito evoluídos que consiste no desenvolvimento de um produto similar, porém, com um tempo muito menor para se desintegrar na natureza.
    Nos dias atuais, enquanto não existem produtos alternativos que possam ser utilizados, ou não são utilizados por conta de interesses, como é o caso do Etanol, apenas a consciência ecológica, a utilização de produtos alternativos e a reciclagem podem diminuir os impactos que são causados à natureza, pois, se o descarte for realizado de forma correta de forma a ser reaproveitada, não teremos um futuro com menos lixo, porque infelizmente, algum impacto sempre existe.

    Fontes
    http://www.esteio.com.br/downloads/pdf/ti_verde.pdf
    http://www.revistasustentabilidade.com.br

  29. Um bom exemplo de sustentabilidade é de um data center flutuante, que a google criou para funcionar em alto mar.
    O data center da google, pretende funcionar com energia gerada tanto do sol e dos ventos marítimos, quanto dos movimentos das ondas, aproveitando assim energias renováveis para o seu funcionamento sem abalar o ecossistema.

    Este seria um exemplo de como a sustentabilidade está sendo levada a séria por grandes empresas. Mas pensando assim, parece ser preciso muito investimento para criar uma ação “verde”, o que não é verdade. Uma idéia simples, e que já pode ajudar muito o meio ambiente, é a conscientização da impressão em nossas empresas. Muitas empresas ainda utilizam da impressão de documentos, tanto quanto e-mails por padrões de processos. Para manter os processos, mas tornar a empresa mais ecológicamente correta, poderia-se utilizar da digitalização de documentos, salvando-os em pdfs em um servidor, no lugar de se imprimir pilhas de papéis. Portanto vemos que a ação ecológica não é complicada para ser abordada em qualquer empresa, em suas devidas proporções.

  30. Sobre descarte de Hardware

    Atualmente empresas normalmente desconhecem as formas e locais corretos para o descarte de equipamentos, principalmente os de informática e eletrônicos.

    Uma das maiores preocupações de empresas que trabalham com hardware é o que fazer com os equipamentos que estão obsoletos. Se é possível fazer o reaproveitamento de componentes, uma parte do problema está resolvido. Mas e quando o destino de mainframes, PCs, placas de circuito, monitores, impressoras etc deve ser o lixo. Reciclar não é apenas uma boa prática, mas essencial para garantir um negócio sustentável e responsável em relação ao meio ambiente.

    “Na IBM, quase nada vai para o lixo. De todo material de escritório – papéis, embalagens, materiais impressos etc – 75% é reciclado. “Quando falamos de hardware, absolutamente nada é enviado para aterros”, afirma João Luis Bianchini, coordenador de meio ambiente para operações prediais da IBM Brasil. […] 99,75% de todo descarte dos parques tecnológicos tem em seu destino empresas de coleta seletiva. O material fica armazenado no site da companhia em Hortolândia, interior de São Paulo, é e retirado por parceiros.”

    O material restante, que não é ou não pode ser coletado “que são as fitas magnéticas que guardam informações de nossos clientes, somos obrigados a incinerar” por causa de questão de segurança dos dados e informações.

    Em nossa região não existem muitas empresas que trabalham exclusivamente com descarte correto de eletrônicos. O descarte desses materiais também é grande nas companhias da nossa região, quando a informática do parque é trocada, por exemplo.
    “A IBM ainda não conseguiu encontrar uma empresa brasileira de reciclagem de baterias que atenda às normas impostas pela companhia americana. O destino das baterias recolhidas é o armazenamento, até que se ache alguém que cumpra o programa de reciclagem da IBM.”

    “O mesmo caso ocorria com os monitores. Durante 10 anos, a IBM armazenou em Hortolândia algo em torno de 200 toneladas de monitores. Bianchini explica que uma película química usada para a proteção da tela, impedia que o vidro fosse reciclado pelo processo normal. “Desenvolvemos uma técnica com um parceiro para remoção segura desta película. Hoje, enviamos entre 20 e 30 toneladas de monitores por mês”.”.

    Fonte: Info Exame (http://info.abril.com.br/ti-verde/descarte-de-hardware-exige-res.shtml)

  31. Sustentabilidade em TI

    Significa conseguir manter equipamentos em funcionamento sem a necessidade de poluir o meio ambiente.

    Exemplo:

    A Sun MicroSystems (adquirida pela Oracle) construiu um datacenter com melhor eficiência energética, onde consegue uma economia de 11 mil toneladas métricas de CO2 por ano. Estima-se que será possível economizar 1 milhão de dólares em energia elétrica. O projeto do datacenter baseia-se numa arquitetura que reduz drasticamente o espaço físico.

    Também temos o exemplo da Intel que criou um data center auto sustentável em seu resfriamento utilizando um sistema de painéis solares.

    Fontes: http://info.abril.com.br/ti-verde/o-data-center-verde-da-sun.shtml?3
    http://info.abril.com.br/ti-verde/intel-testa-data-center-movido.shtml

  32. Itaú ganha prêmio internacional de TI Verde

    Banco economizou R$ 500 mil nos gastos anuais com energia após modernização dos data centers e virtualização de servidores e desktops.

    Pensar em TI Verde hoje em dia, significa um diferencial para as grandes empresas, e isto cada vez está mais forte no mundo.

    Foi pensando assim, que o Itaú recebeu o prêmio Green Enterprise IT Awards (empresa verde do setor de TI), promovido pelo Instituto Uptime, uma das maiores autoridades mundiais em certificação de data centers.
    O banco conseguiu economizar R$ 500 mil nos gastos anuais com energia após modernização dos data centers e virtualização de servidores e desktops. Sendo assim, é possível garantir que pensar em TI Verde não traz apenas gastos para empresa, e sim lucro também. Usando este exemplo, no Itaú houve a evolução dos mainframes, compra de máquinas de refrigeração de precisão, uso de desktops virtuais e troca de monitores de tubo por LCD, ou seja, eles tiveram que gastar dinheiro para estas mudanças, mas hoje estã vindo a recompensa com a economia nos gastos, além destes prêmios ganhos.

    Fonte:
    http://idgnow.uol.com.br/mercado/2010/05/20/itau-ganha-premio-internacional-de-ti-verde/

  33. Com novas tecnologias conseguimos fazer com que menos consumo de energia seja utilizado, assim poupando a natureza. Uma melhor refrigeração dos datacenters já representa uma boa carga de economia.
    Um hardware mais novo como o processador da família Xeon 5500 da Intel que segundo especialistas da própria empresa de 15 anos para cá é o mais revolucionário processador que a Intel já lançou. Faz economia e autonomia dos recursos, poupando desgastes de processamento, consequentemente redução do consumo de energia. E por fim os sistemas que hoje está em pleno vapor é a questão da virtualização em que pode-se rodar vários sistemas em apenas um servidor.

    Link da materia
    http://olhardigital.uol.com.br/produtos/digital_news/ti-verde-como-reduzir-a-conta-de-energia-e-ajudar-o-meio-ambiente

    TI Verde: Como reduzir a conta de energia e ajudar o meio ambiente

    Por Marcos Arino de Oliveira, Diretor de Prática de Serviços da Sun Microsystems do Brasil

    Quando se fala em preservação ambiental no tocante à tecnologia da informação, logo vêm à mente gastos vultosos com novas tecnologias e infra-estrutura. Porém, economia de energia e preservação do meio ambiente podem perfeitamente andar de braços dados. Se o datacenter consome energia de maneira eficiente é natural que ocorram reduções das emissões de gás carbônico e também dos gastos com eletricidade.

    Muitos departamentos de TI estão colocando as chamadas iniciativas “verdes” em segundo plano e focando, em vez disso, medidas imediatas de redução de despesas. E isso é uma pena, porque um datacenter ecologicamente eficiente é um centro de dados eficiente também em termos de custos,

    Energia, CO2 e gastos estão todos co-relacionados em um ambiente de TI. Como? O envio de e-mails e a realização de compras online, por exemplo, envolvem um ou mais datacenters consumidores de energia que, ao ser produzida, implica na emissão de mais CO2 na atmosfera. Agora, multiplique as interações e transações individuais pela Internet por bilhões e dá para imaginarmos os custos enormes em termos de infraestrutura de datacenter, energia e impacto ambiental.

    É por isso que a necessidade de uma maior eficiência energética no datacenter está aumentando rapidamente. A previsão é que o consumo total de eletricidade em centros de dados em todo o mundo duplique entre 2005 e 2010. Isso exigiria uma capacidade adicional de energia equivalente à construção de mais de dez usinas elétricas de 1.000 megawatts.

    Entretanto, cortar os gastos com o consumo de elétrons nos setores de TI requer um olhar muito cuidadoso sobre como esse dispêndio acontece. Na ponta do lápis, de acordo com o site http://www.thegreengrid.org, vê-se que 70% da força elétrica recebida pelo datacenter é usada para atividades sem relação direta com o equipamento de TI, como iluminação e resfriamento.

    O caminho para a eficiência – Ao entender exatamente para onde vai a energia de um parque computacional, é possível tomar medidas para usá-la de forma mais eficiente em diversas frentes. Abaixo, seguem alguns exemplos de ações específicas para o gerenciamento de datacenters:

    A primeira dica refere-se à escolha de sistemas. Tecnologias avançadas como processadores multi-tarefas, unidades de disco mais lentas e recursos automatizados de desligamento são opções para diminuir a conta de eletricidade.

    Outro caminho é a utilização de sistemas de classificação para calcular o consumo de energia. Os ecológicos, tais como Energy Star, 80 Plus, EPEAT e Climate Savers Computing, por exemplo, estão disponíveis para desktops. Há também calculadoras de energia que computam o gasto de eletricidade de acordo com as configurações dos servidores.

    A consolidação de servidores pode ser um importante aliado na busca pela diminuição do consumo de energia. É comum fazer isso por meio da virtualização e outras técnicas. Existe um caso de uma companhia que consolidou 1.185 servidores para somente 90, virtualizando recursos. A empresa obteve o retorno do investimento em apenas um ano, só com a redução nas despesas com eletricidade.

    Outra dica é: encontre uma distribuição de energia mais eficiente. Minimize o número de conversões de energia ocasionadas pela alimentação a partir da rede de abastecimento até o equipamento.

    A questão da refrigeração é essencial na luta pela redução do consumo de energia. Seja criativo com a refrigeração. Uma opção é integrar tecnologia de resfriamento diretamente nos racks de servidores, usando ventiladores de velocidade variável e aproveitando melhor o ar fresco externo. Já está sendo desenvolvida uma nova geração de servidores construídos para resistirem a condições bem adversas sem a necessidade de utilizar soluções convencionais de refrigeração. Já existem máquinas que aproveitam o ar externo o tempo todo e suportam temperaturas de até 30,5º.

    A atualização regular do parque de TI é outro fator que colabora com a eficiência do gerenciamento de datacenters verdes. Os equipamentos continuam sendo aprimorados exponencialmente e os mais atuais apresentam menores níveis de emissão de CO2, por exemplo.

    O ecogerenciamento de datacenters não implica na implementação de projetos caros, demorados e com retorno sobre o investimento previsto para somente após alguns anos. Existem muitas ações simples como as citadas anteriormente que podem ser feitas no curto prazo — frequentemente com poucos gastos e envolvendo um número mínimo de pessoal —, que podem ter um impacto positivo no resultado final com a redução de gastos, melhoria da eficiência operacional e que, ao mesmo tempo, ajudam a proteger o meio ambiente.

    Por Jaison

  34. Pensar Globalmente e agir localmente.

    Antes de comprar qualquer produto, ou mesmo contratar algum serviço de determinada empresa, deve-se buscar conhecer o produtor/fornecedor desse produto e/ou serviço, a forma que esse produto é desenvolvido e qual o destino dele depois que ele não for mais útil. Dando preferência para produtos e empresas que agem de forma ecologicamente correta.

    FONTE: Filme A ÚLTIMA HORA.

  35. Pensar Globalmente e agir localmente.

    Tecnologias como teleconferência, telepresença e VoIP são tecnologias associadas a iniciativas de computação verde. Elas geram maior satisfação dos empregados, redução na emissão de gases relacionados às viagens e uma economia na empresa relacionado ao espaço físico de escritório, ar-condicionado e iluminação, essas são algumas das vantagens da adoção por tais tecnologias.

    Fonte: http://www.cpqd.com.br/highlights/265-sustentabilidade-e-eficiencia-em-ti.html

    Quando a última árvore tiver caído.
    Quando o último rio tiver secado.
    Quando o último peixe for pescado.
    Vocês vão entender que dinheiro não se come. (Greenpeace)

  36. SUSTENTABILIDADE: Pensar Globalmente e agir localmente.

    Existem inúmeras formas de proteger seu planeta, algumas soluções são especificas para datacenters, outras podem ser aplicadas até mesmo na sua casa.

    Leia mais: http://goo.gl/6AYyA

  37. TI Verde e as Empresas

    Atualmente, existem alguns pontos em que se concentram as ações de TI Verde quando se trata do mundo corporativo: este foco, normalmente, é em função do resultado que se espera com o emprego das medidas e ações “verdes”.
    Um conjunto de práticas nos três níveis torna-se interessante para empresas, pois a aplicação de ações de TI Verde traz a redução de custos com energia elétrica como também as iniciativas de responsabilidade sócio-ambiental da instituição. Assim podem-se agrupar as ações em virtude destes resultados:

    Redução do consumo de energia e das emissões de carbono

    • Atualização de sistema operacional e hardware: O desenvolvimento de projetos de atualização do parque de estações de trabalho pelas empresas tanto em termos de hardware como software são, hoje, os principais pontos de atuação que visam tanto a redução do consumo energético quanto a redução das emissões de carbono;
    • Virtualização de Servidores: utilização de software que “emula” uma máquina virtual como um servidor físico, criando assim, um ambiente isolado e independente da máquina “real”. Deste modo, uma máquina física, dentro de sua capacidade de desempenho pode “hospedar” diversas máquinas virtuais independentes. (fonte: Microsoft®, Virtualization).
    A utilização otimizada dos equipamentos físicos fornece a manutenção da ocupação física na empresa somada à expansão do desempenho, reduzindo assim as “pegadas ecológicas” que poderiam ser causadas pela aquisição de novos equipamentos como o aumento do espaço necessário e a energia correspondente para a sua refrigeração. Em termos de descarte de equipamentos, a virtualização auxilia na redução da contaminação ambiental ao substituir os equipamentos físicos com máquinas lógicas. (fonte: LYNCH, 2009)
    • Os Sistemas de Gestão Empresarial, conhecidos como ERP (Enterprise Resource Planning), são sistemas de informação que integram todos os dados de uma empresa, possibilitando a automação de todas as informações do negócio. As implantações de sistemas ERP reduzem custos, aperfeiçoam o fluxo de informação e o processo de gerenciamento (fonte: Wikipedia, ERP). Assim, com a redução dos riscos e oferecendo recursos que reduzem desperdícios na indústria, têm-se resultados diretamente ligados à sustentabilidade.
    A Microsoft® lançou um produto nesta linha que tem por idéia mensurar o impacto ambiental que as atividades de uma empresa causam, focando em especial o consumo de energia. Com estas informações, a empresa pode atuar nos pontos específicos e conseqüentemente reduzir tanto o consumo de energia como a emissão de gases de efeito estufa (fonte: ZMOGINSKI, 2009).

    Exemplos de TI Verde no Ecossistema
    A energia Eólica é uma das grandes tecnologias da TI verde.
    Em 2009 a capacidade mundial de geração de energia elétrica através da energia eólica foi de aproximadamente 158 gigawatts (GW), o suficiente para abastecer as necessidades básicas de dois países como o Brasil(o Brasil gastou em média 70 gigawatts em janeiro de 2010).Para se ter uma idéia da magnitude da expansão desse tipo de energia no mundo, em 2008 a capacidade mundial foi de cerca de 120 GW e, em 2008, 59 GW.

    Um aerogerador é um dispositivo que aproveita a energia eólica e a converte em energia elétrica.
    A capacidade de geração de energia eólica no Brasil foi de 606 megawatts (MW) em 2009, onde houve um aumento de 77,7% em relação ao ano anterior. A capacidade instalada em 2008 era de 341 MW. O Brasil responde por cerca da metade da capacidade instalada na América Latina, mas representa apenas 0,38% do total mundial.
    Os EUA lideram o ranking dos países que mais produzem energia através de fonte eólica. O total instalada nesse país ultrapassa os 35 GW. Atrás deles vem a Alemanha, com cerca de 26 GW instaladas, e a China, com 25 GW.

    Com a crescente expansão da TI Verde, as empresas de pequeno e médio porte passaram a adotar tais medidas na busca pela sustentabilidade com ganhos econômicos e ambientais, antes seguidas somente por grandes empresas e corporações. Segundo pesquisas realizadas pela IBM, 66% das empresas de médio porte do país já acompanham os seus consumos de energia e 70% delas planejam ou já realizam atividades para reduzir o impacto ambiental. (fonte: ARIMA, 2009).
    O conceito de TI Verde cresce também na sociedade mesmo que de forma inconsciente, já que a preocupação ambiental é assunto recorrente no dia-a-dia de todos. O que falta, de fato, é a conscientização do usuário doméstico de que a TI Verde também pode ser praticada em sua casa com pequenas mudanças de comportamento e ações voltadas à redução da emissão de CO2. Para tal, é necessário fazer uso da reutilização e reciclagem de equipamentos, investimentos (quando necessários) em suprimentos com “selo verde” e evitar a subutilização de sistemas, otimizando o uso de quaisquer produtos sejam eles eletrônicos ou não.

    Fontes:
    http://www.hardware.com.br/artigos/ti-verde/
    http://computerworld.uol.com.br/gestao/2008/04/16/quatro-exemplos-reais-de-ti-verde-em-grandes-empresas-brasileiras/
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Energia_e%C3%B3lica

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: