U-commerce

O casamento do MKT com TI, utilizando-se:

•Ubiqüidade •Universalidade •Unicidade •Uníssono – sincronicidade

Segundo Watson (2002), U-commerce é o uso de redes ubíquas para apoiar comunicações personalizadas e ininterruptas e transações entre uma empresa e seus diversos públicos para fornecer um nível de valor sobre, acima e além do comércio tradicional. Postem aqui suas sugestões de aplicação.

Profs Oscar Dalfovo e Ivan Savaris

12 Respostas

  1. Uma idéia de aplicação seria uma casa do futuro.
    Atualmente buscamos meios para deixar as atividades rotineiras de casa cada vez mais cômodas para nós, o controle remoto no qual não precisamos levantar do sofá para trocar de canal o microondas que pode preparar uma comida rapidamente e assim eu poderia citar vários itens que fazem da nossa casa um lugar gostoso de viver.
    Utilizando o u-commerce a idéia seria revolucionar as atividades normais em nossas casas, onde teríamos a “Ubiqüidade” através da nossa geladeira que estaria conectada a internet e identificaria através das repartições internas que falta leite ou outro alimento importante, realizando então o pedido de compra automaticamente. Você apenas receberia uma mensagem de teste em seu celular solicitando a autorização para pagamento através do cartão de credito.
    Através da “Unicidade” quando um filho, por exemplo, entrasse em casa com o seu celular ele identificaria que a temperatura do quarto esta elevada e automaticamente ligaria o ar-condicionado do quarto dele apenas, tendo claro, configurações específicas da temperatura para cada filho.
    Com a “Universalidade” seria possível chegar à casa do seu amigo que também possui a estrutura padrão de comunicação instalada onde informaria uma senha de segurança e então poderia ter acesso a garagem e subir o elevador sem que houvesse a necessidade de descer abrir o portão para receber a visita.
    Por fim “Unissonância” poderia informar, por exemplo, que a cerveja já esta gelada na sua televisão na qual você esta assistindo um filme. Assim você poderia assistir ao filme sem preocupação da cerveja congelar na geladeira, tudo isso através da comunicação dos dispositivos.
    Com esta solução é possível avaliar o impacto o u-commerce em nossas vidas e o avanço na tecnologia uma vez que isso se torne cada vez mais popular.

  2. U-commerce é a convergencia total de todos os modelos de comércio virtual existentes na tentativa de tornar as transações comerciais em operações independentes de dipositivo, posição física ou de meio de transmissão de dados.

    Uma experiência de u-commerce está sendo feita pela Visa entre os consumidores da Malásia. Foi em Kuala Lumpur que a empresa começou a testar, no ano passado, o Visa Wave, cartão com chip sem contato, uma tecnologia de pagamentos por proximidade. Basta simplesmente aproximar o cartão a um equipamento conhecido como dongle, para efetuar o pagamento em menos de um segundo. A tecnologia de pagamento por aproximação funciona de uma maneira muito próxima à do RFID (Radio Frequency Identification), com uma antena por radiofreqüência. Usa-se a NFS (Near Field Communication), tecnologia que faz com que diferentes formatos de protocolo de comunicação sem fio sejam interoperáveis. Em compras de pequeno valor não é necessário assinar o comprovante, enquanto nas de médio e grandes valores a assinatura continua. Este conceito de pagamento por proximidade deverá atender principalmente a fast-foods, cinemas, estacionamentos, pedágios, entre outros pontos de alta concentração de clientes, já que a captura é instantânea.

    Meu exemplo de aplicação seria, como explicado acima, a utilização em cinemas, a qual o cliente (usuário) poderia escolher seja no computador em casa, num PDA em qualquer lugar, ou no próprio celular, a sessão e o filme, pagar, nesse esquema de pagamento com cartão com chip, e, assim, na hora de entrar, com a tecnologia RFID, ele estaria liberado para ver o filme.

  3. — U-Commerce representa a Convergência total —
    Buscando consolidar o alfabeto de variantes de comércio virtual, o U-Commerce representa a convergência total de todos os modelos de comércio virtual existentes, na tentativa de tornar as transações comerciais em operações independentes de dipositivo, posição física ou de meio de transmissão de dados.
    A idéia central proposta pelo modelo de U-Commerce é de que no futuro não importará quantos ou quais dispositivos digitais o usuário possui, pois todos eles estarão sempre sincronizados e acessarão os mesmos serviços de compra e venda eletrônica sem nenhum tipo de restrição tecnológica.
    Utopia ou não, o U-Commerce se apóia nas tendências do tripé VTS (Varejo, Tecnologia e Especificidades Setoriais) para evidenciar sua possível tangibilização no médio e longo prazo.

    >> Varejo:
    Apesar dos diversos modelos de negócio existentes atualmente, o principal entrave para a adoção em escala do E-Commerce Multiplataforma são os custos de conexão, que restringem o acesso atual via banda larga celular a cerca de 250 mil usuários, por exemplo. Até 2010, estima-se que o Brasil terá 3 milhões de aparelhos celulares com conexão de banda larga, um número tímido frente a base instalada atual.
    O aperfeiçoamento e popularização do M-Payment, SMS Banking e demais formas de gerenciar e transacionar dinheiro em multplataformas são dois vetores paralelos para fomento do comércio eletrônico, mobilidade do relacionamento e bancarização da população.

    >> Tecnologia:
    Em termos tecnológicos, a utilização de linguagens de programação mais interoperáveis, como Java e .NET, e de aplicativos em conceitos SOA, SaaS, Webservices, Mashups, etc buscam facilitar a navegação e usabilidade de interfaces comerciais, otimizando o uso de banda de acesso (e da paciência do consumidor).
    A evolução nas tecnologias de segurança e criptografia, que ainda representam importante entrave psicológico dos consumidores, definirão a ruptura para a adoção em massa do comércio eletrônico multiplataforma.

    >> Especificidades Setoriais:
    Setores cujos produtos e serviços sejam primordialmente intangíveis (característica informacional e não-material, como conteúdo de entretenimento, música, vídeo, informação, por exemplo), possuem vocação para o E-Commerce em multiplataformas.
    Os demais setores, que transacionam produtos e serviços mais “tangíveis”, terão como desafio adicional criar dinâmicas e simulações de experiência de compra – associada à experimentação virtual do produto e serviço – que sejam suficientemente satisfatórias para gerar a compra por impulso e/ou por comparação e escolha.
    É certo que os resultados esperados pelos novos modelos de negócio levarão o mercado a outro patamar de lucratividade e satisfação dos clientes. Porém, ainda não existe uma definição clara do modelo de negócio central a ser adotado para as diversas formas de E-Commerce em multiplataformas, seja pelo momento de experimentação e maturação de soluções que as empresas dos diversos mercados vivem atualmente, seja por barreiras impostas pelos usuários em relação à segurança e privacidade das informações e dados transacionados, ou ainda, pela muitas vezes completa inabilidade do cliente-usuário em operar as funções básicas de um aparelho celular, televisão digital ou computador.
    A complexidade inerente às etapas do processo de compra (purchase cycle) ainda necessitam de simplificação massiva a ponto de se resumirem no clique de um único botão. Mas para empresas e mercados atingirem tal patamar, avanços significativos terão de acontecer nas leis e marcos regulatórios, na evolução e simplificação tecnológica, na variedade e segurança de meios de pagamento, nos processos logísticos.

  4. Conceito:
    U-commerce é a convergencia total de todos os modelos de comércio virtual existentes na tentativa de tornar as transações comerciais em operações independentes de dipositivo, posição física ou de meio de transmissão de dados. O termo commerce significa comércio e a letra U é utilizada para representar simultâneamente os conceitos principais desse novo modelo, Ubiqüidade, Unicidade, Universalidade e Unissonância.

    A idéia central proposta pelo modelo é de que no futuro não importará quantos ou quais dispositivos digitais o usuário carrega em seu bolso (ou mantém em casa), todos eles estarão sempre sincronizados e acessarão os mesmos serviços de compra e venda eletrônica sem nenhum tipo de restrição tecnológica.

    A publicação mais antiga sobre U-commerce encontrada é datada de 2000 em uma colula escrita por Richard T. Watson[1] e descreve de forma simples as diretrizes deste novo conceito. Em 2002 o mesmo autor publicou juntamente com Leyland F. Pitt, Pierre Berthon e George M. Zinkhan um artigo no Jornal da Academia de Marketing Ciência[2] com mais detalhes conceituais sobre o U-commerce e adicionalmente apresenta um framework conceitual chamado U-Space que pode ser utilizado como diretriz de implementação de novas relações de comércio eletrônico.

    Em 2004 um outro artigo[3] discute sobre a formação estrutural do U-commerce, apontando sobre os modelos anteriores de comércio eletrônico que agrupados que formam o novo modelo. A publicação deste artigo e de alguns outros [4] [5] indica que o conceito de U-commerce está de certo modo em desenvolvimento.

    Watson aponta 4 conceitos (ou traduções para a letra U) na identificação do novo modelo, que nesse artigo são traduzidas como Ubiqüidade, Unicidade, Universalidade e Unissonância para manter o aspecto cognitivo da letra U no nome U-commerce.

    Fonte:Wikipédia

    Aplicação:

    Um exemplo para citar, é o que temos dentroo da nossa empresa, que é um conjunto de ferramentas(softwares) integrados para o Ambiente da Web.
    O foco dos nossos sistemas é fazer pedidos de produtos, via internet. Não importa se o cliente tem acesso a internet por meio de um pda ou de um notebook com acesso a internet, ele sempre conseguirá efetuar seus pedidos.
    Existem atualmente dois sistemas individuais, o primeiro sendo um sistema para dispositivos móveis, e outro em um ambiente web, onde o cliente loga com seu usuário e senha e efetua o pedido, ou até mesmo o cliente de nosso cliente pode se logar no site e efetuar um pedido.

  5. Lendo matéria sobre convergência na edição 220 da revista InformationWeek, disponível em http://issuu.com/informationweekbrasil/docs/iwb_ed.220, pude notar que há uma inclinação, por parte de empresas como Cisco e Microsoft, de atacar o mercado de telepresença.
    É provável que a abertura para esse mercado tenha surgido com sites como o YouTube.
    A atenção dessas empresas já está voltada para a venda de serviços de telepresença, onde estariam disponíveis recursos como teleconferência.

    Avaliando esse aspecto penso em o quanto seria interessante utilizar esse serviço aliado aos recursos da TV Digital. Na área da educação, seria possível utilizar esse recurso na forma já conhecida de webinar mas a convergência estaria na fusão do serviço com a iteratividade disponibilizada pela TV Digital.

    O aluno poderia utilizar o recurso de webinar para assistir e tirar suas dúvidas sobre as aulas e a instituição de ensino poderia aproveitar os recursos da TV Digital para realizar pesquisas de satisfação com o curso, professor etc, além é claro de realizar as avaliações em tempo real pela iteratividade disponível na TV Digital. A aplicação envolvida mostraria em tempo real o aproveitamento dos alunos e possibilitaria ao professor identificar os pontos críticos de aprendizado. Assim ele pode dar maior atenção a esses pontos e tentar sanar as dúvidas mais comuns.

    Esta é apenas uma idéia superficial dos recursos que poderiam ser disponibilizados pela convergência entre as diversas tecnologias já existentes no mercado.

  6. Pensando em U-commerce, tive a idéia de que no futuro não exista mais supermercados, mas sim um cardápio online, ou seja, você escolhe o que quer comprar e prédios são conectados a distribuidores de mercadorias por algum meio de transporte muito mais rápido que os de hoje em dia, então você recebe o que pediu o mais rápido possível.

    Lucas Rhuan Fischer.

  7. Uma empresa deseja aumentar as vendas aos clientes. Para isso se utilizará do u-commerce, que trará ao consumidor maiores opções de compra, que poderá se utilizar de diversos meios para adquirir os produtos ou serviços desejados. Isso é um diferencial competitivo para a empresa, que estará mais acessível aos consumidores. Dentre as modalidades de venda, citamos:
    -internet
    -tv interativa
    -telefonia celular
    -telemarketing
    -catálogos
    -lojas físicas
    Ex: Você está assistindo a um programa de tv, quando decide adquirir o produto que está sendo apresentado, então você utiliza a interatividade oferecida pela tv, ou algum outro meio citado para efetuar a compra na comodidade do seu lar.

  8. Pagamento via Celular

    Muitas pessoas hoje possuem um celular. Hoje os celulares possuem capacidade pra diversas tarefas que antes, eram executadas por Palms e muito além.

    Imagine como não seria ótimo, você estar caminhando pelo centro e então decide comprar um determinado produto. Você pega seu celular, acessa o serviço de compras local, escolhe seu produto e efetua o pagamento pelo próprio celular.

    Assim, seu produto já estará reservado e pago, sendo necessário apenas passar na loja para pegar (ou até mesmo receber em casa).

    Referencias:
    http://info.abril.com.br/noticias/ti/vivo-e-itaucard-testam-pagamento-via-celular-07072009-26.shl
    http://www.meiobit.com/meio-bit/celular/oi-lanca-servico-de-pagamento-via-celular

  9. U-Commerce

    O termo commerce significa comércio e a letra U é utilizada para representar simultâneamente os conceitos principais desse novo modelo, Ubiqüidade, Unicidade, Universalidade e Unissonância.

    U-commerce é a fusão de vários os modelos de comércio virtual existentes com objetivo de tornar independentes as transações comerciais em através de aparelhos, posição física ou de meio de transmissão de dados.

    A idéia central proposta pelo modelo é de que no futuro não importará quantos ou quais dispositivos digitais o usuário carrega em seu bolso (ou mantém em casa), todos eles estarão sempre sincronizados e acessarão os mesmos serviços de compra e venda eletrônica sem nenhum tipo de restrição tecnológica.

    ————————————————————————————

    O McDonald’s fechou uma parceria com a Apple para que as compras de lanches na rede serem realizadas pelo iPhone.

    Para acessar é só utilizar o navegador do iPhone para visitar a página da McEntrega (http://www.mcentrega.com.br), que agora tem uma versão própria para o aparelho.

  10. Uma idéia interessante é aplicar o U-commerce em empresas de transporte e logística, tendo um sistema mais dinâmico para o rastreamento e controle da entrega da carga, sendo que o entregador pode informar varios dados referentes às cargas de qualquer localidade, sendo assim mais eficiente na divulgação da informação e mais preciso.

  11. Aluno: André Luiz Pedrelli

    U-COMMERCE

    A idéia é fazer as pessoas comprarem ou venderem em qualquer lugar e a qualquer hora.
    Boa parte da humanidade ainda não assimilou a idéia de e-commerce, mas já há quem esteja com o pé no u-commerce, o comércio universal, cuja idéia é fazer com que as pessoas comprem e vendam em qualquer lugar, a qualquer hora e por meio de qualquer dispositivo. Uma experiência de u-commerce está sendo feita pela Visa entre os consumidores da Malásia. Foi em Kuala Lumpur que a empresa começou a testar, no ano passado, o Visa Wave, cartão com chip sem contato, uma tecnologia de pagamentos por proximidade. Basta simplesmente aproximar o cartão a um equipamento conhecido como dongle, para efetuar o pagamento em menos de um segundo.
    Esse é um dos primeiros projetos da Visa a fazer parte do u-commerce. Pelo conceito, paga-se o que se quiser não só com cartões, mas também com celulares, PDAs e qualquer novo dispositivo nessa linha. A tecnologia de pagamento por aproximação funciona de uma maneira muito próxima à do RFID (Radio Frequency Identification), com uma antena por radiofreqüência. Usa-se a NFS (Near Field Communication), tecnologia que faz com que diferentes formatos de protocolo de comunicação sem fio sejam interoperáveis. Em compras de pequeno valor não é necessário assinar o comprovante, enquanto nas de médio e grandes valores a assinatura continua. Este conceito de pagamento por proximidade deverá atender principalmente a fast-foods, cinemas, estacionamentos, pedágios, entre outros pontos de alta concentração de clientes, já que a captura é instantânea. No Brasil, os planos da Visa são de sair com um piloto às ruas em menos de um ano.

    Empresa utilizando o u-commerce: Linhas aéreas GOL http://WWW.voegol.com.br
    – Compra de passagem: pelo site da gol, agencias de viagens, celular.
    – Check in: pelo site, celular ou balcão da própria agencia.

  12. Marlon Amorim

    A idéia do U-Commerce é fazer com que as pessoas comprem e vendam em qualquer lugar, a qualquer hora e por meio de qualquer dispositivo.

    Um exemplo de U-Commerce é trazido com a tv digital, com essa tecnologia podemos fazermos compras de forma imediata no momento que vermos um produto na tv seja durante a novela, jornal ou qualquer outro programa da tv.
    Com isso tambem será possivel unificar a tecnologia 3G já existente nos celulares de hoje e fazermos uma grande video conferencia com a familia toda com a imagem sendo exibida na tv de nossas salas.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: